sicnot

Perfil

País

Manifestação contra violência policial e racismo convocada para hoje em Lisboa

Uma manifestação contra a violência policial e o racismo institucional vai assinalar hoje, em Lisboa, o Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial.

SIC

Em comunicado, o "grupo contra a violência policial e o racismo institucional", composto por movimentos e organizações sociais e moradores dos bairros periféricos de Lisboa, que organiza o protesto, marcado para as 16:00, no Largo de São Domingos (Rossio), escolheu a frase "Vidas Negras importam" como lema.

"Porque as Vidas Negras importam, seguiremos lutando contra as estruturas que produzem e favorecem o racismo e a discriminação racial em Portugal", justifica.

Entre as reivindicações, estão "o fim imediato das operações policiais" do Corpo de Intervenção Rápida nos bairros, a classificação como "crime público" dos atos de tortura e de ódio racial e "a demissão do comandante e agentes envolvidos nos atos de tortura ocorridos na esquadra de Alfragide".

Em causa estão confrontos entre agentes policiais da esquadra de Alfragide e habitantes do Bairro do Alto da Cova da Moura, no dia 05 de fevereiro.

O Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial recorda o massacre de Sharpeville, cometido pela polícia do regime segregacionista do 'apartheid', na África do Sul, que, a 21 de março de 1960, assassinou 69 pessoas e feriu 180, entre os 20 mil negros que protestavam pacificamente em Joanesburgo.

"Meio século depois, em Lisboa, atos de tortura e de ódio racial, como os praticados por agentes policiais na esquadra de Alfragide, (...) mostram-nos como pessoas negras desarmadas são vítimas da violência de Estado", denunciam os organizadores do protesto.

Considerando que a população negra de Lisboa tem sido "bode expiatório", o grupo acusa o "silêncio" da sociedade de legitimar "que bairros pobres e periféricos sejam territórios de exceção do Estado de Direito, onde a polícia espanca e dispara contra pessoas indefesas".

No comunicado, lembra-se "algumas das vítimas mortais de racismo e violência policial em Portugal", como Elson Sanches (KUKU), Carlos Reis (PTB), Diogo Borges (Musso), José Carlos (Teti), Ângelo Semedo (Angoi), Manuel Pereira (Tony) e Nuno Rodrigues (Snake). 

Os organizadores do protesto condenam ainda "a injustiça do quadro jurídico português, no qual o racismo apenas constitui uma contraordenação" e acusam a justiça de ilibar "os agentes perpetuadores destes crimes".



Lusa
  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.