sicnot

Perfil

País

Maria José Costeira vence eleições para Associação Sindical de Juízes

A secretária-geral da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP), Maria José Costeira, é a nova presidente da direção da associação depois de vencer as eleições de sábado. 

SIC

Maria José Costeira, que encabeçava a lista B - 'Somos Juízes', venceu as eleições com 669 votos, contra os 423 alcançados por Luís Miguel Martins (lista A -- 'Em Nome dos Juízes') e os 357 votos recolhidos por Alziro Cardoso (lista C -- 'Firmeza e Dignidade').

Nestas eleições da ASJP podem votar cerca de 2.200 juízes, tendo sido contabilizados 1.449 votos.

A ainda secretária-geral da ASJP atribuiu, nestas eleições, especial importância à aprovação do novo Estatuto dos juízes, ainda durante esta legislatura, apontando o compromisso político assumido pela ministra da Justiça nesta matéria, que prevê a melhoria remuneratória da classe, através da atribuição de um subsídio.

Maria José Costeira foi apoiada nestas eleições pelo ainda presidente da ASJP, juiz conselheiro Mouraz Lopes.

Luís Miguel Martins, juiz em Santa Maria da Feira, considera "absolutamente essencial" a revisão urgente do Estatuto dos Magistrados Judiciais e a valorização do vencimento-base dos juízes. Quanto à nova organização judiciária alerta para o facto de haver tribunais a funcionar em "condições indignas", nomeadamente em contentores, com problemas de ordem sanitária.

O desembargador Alziro Cardoso assume-se como o candidato da única "lista de mudança", indicando como prioridades a defesa da independência do poder judicial e da dignidade da função jurisdicional, metas que passam pela discussão da questão remuneratória. O candidato pugna ainda por um novo modelo de progressão na carreira que não tenha como critério essencial a realização de mestrados e doutoramentos.



Lusa
  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • Governo quer que preço da energia deixe de ser superior ao resto da Europa
    1:38

    Economia

    O preço da luz vai descer para as famílias já a partir de janeiro, o que não acontece há 17 anos. É uma descida quase simbólica, de 0,2%. Ainda assim, o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, disse, em entrevista na SIC Notícias, que é um sinal e que, até ao final da legislatura, o Governo quer que o país deixe de praticar preços superiores à média europeia.