sicnot

Perfil

País

Maria José Costeira vence eleições para Associação Sindical de Juízes

A secretária-geral da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP), Maria José Costeira, é a nova presidente da direção da associação depois de vencer as eleições de sábado. 

SIC

Maria José Costeira, que encabeçava a lista B - 'Somos Juízes', venceu as eleições com 669 votos, contra os 423 alcançados por Luís Miguel Martins (lista A -- 'Em Nome dos Juízes') e os 357 votos recolhidos por Alziro Cardoso (lista C -- 'Firmeza e Dignidade').

Nestas eleições da ASJP podem votar cerca de 2.200 juízes, tendo sido contabilizados 1.449 votos.

A ainda secretária-geral da ASJP atribuiu, nestas eleições, especial importância à aprovação do novo Estatuto dos juízes, ainda durante esta legislatura, apontando o compromisso político assumido pela ministra da Justiça nesta matéria, que prevê a melhoria remuneratória da classe, através da atribuição de um subsídio.

Maria José Costeira foi apoiada nestas eleições pelo ainda presidente da ASJP, juiz conselheiro Mouraz Lopes.

Luís Miguel Martins, juiz em Santa Maria da Feira, considera "absolutamente essencial" a revisão urgente do Estatuto dos Magistrados Judiciais e a valorização do vencimento-base dos juízes. Quanto à nova organização judiciária alerta para o facto de haver tribunais a funcionar em "condições indignas", nomeadamente em contentores, com problemas de ordem sanitária.

O desembargador Alziro Cardoso assume-se como o candidato da única "lista de mudança", indicando como prioridades a defesa da independência do poder judicial e da dignidade da função jurisdicional, metas que passam pela discussão da questão remuneratória. O candidato pugna ainda por um novo modelo de progressão na carreira que não tenha como critério essencial a realização de mestrados e doutoramentos.



Lusa
  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.