sicnot

Perfil

País

Pai de português detido preventivamente em Díli incrédulo com processo

Carlos Guerra, pai de Tiago Guerra, detido preventivamente em Díli por suspeitas de branqueamento de capitais, afrimou-se incrédulo com a detenção do filho e com os contornos de um processo que deixou a família "destroçada".

(Lusa/ Arquivo)

(Lusa/ Arquivo)

LUSA

Em entrevista à Lusa a partir de Portugal, onde está com a mulher e os dois netos, filhos de Tiago Guerra disse que a notícia do caso caiu como "um grande bomba num charco".

"As pessoas que conhecem o Tiago mostram-se incrédulas. É impossível isto estar a acontecer. Ele sempre foi cumpridor, desde miúdo. Não atravessava fora da passadeira", afrimou.

Preferindo evitar entrar em pormenores do processo, porque ainda está em segredo de justiça e, até ao momento, Tiago não foi formalmente acusado, Carlos Guerra mostrou-se apreensivo sobre o que pode durar a atual situação.

A lei timorense prevê que a prisão preventiva possa ser aplicada durante um ano e meio ampliável, em casos de grande complexidade, por mais um ano.

"Normalmente investiga-se para prender. Aqui prendeu-se para se investigar. E nem sei bem que investigações é que estão a ser feitas, nem em que ponto estão", disse.

Oficialmente, e como disse recentemente à Lusa o procurador-geral timorense, José Ximenes, Tiago Guerra é suspeito do crime de branqueamento de capitais com "factos que aconteceram em vários países", explicando que foram enviadas cartas rogatórias com pedidos de informação para Portugal e para Macau.

Carlos Guerra recordou que todo o processo da detenção de Tiago foi "surreal", com as autoridades a afirmar que estava a fugir de Díli quando o filho "esteve meses" a preparar a saída.

Organizou a venda de alguns bens pessoais, acertou contas, inscreveu os filhos na escola em Macau - onde tem residência e onde tinha uma proposta de emprego "irrecusável" - e "fez festas de despedida" na capital timorense.

"Isto não é de alguém que queira fugir. Até fotos das festas de despedida tinha nas redes sociais", disse.

Preso com a mulher e os dos filhos, um de nove e outro de oito anos, foi primeiro levado para uma esquadra onde ficou durante três dias - a mulher e as crianças acabam por ser libertadas - tendo sido apreendidos todos os documentos da família e computadores, incluindo das crianças.

Quando esteve em Díli, em outubro, presenciou uma "segunda detenção traumática" da nora, com "pelo menos 15 guardas, vários armados e um fotógrafo da polícia" a deter a mulher e a pretender levar consigo as duas crianças.

"Queriam levar os miúdos. Recusámos porque o mandado só falava na minha nora. Foi um processo manifestamente excessivo e intimidatório. Só posso acreditar que foi feito para coincidir com a nossa presença. Nada parece ao acaso neste processo", explicou.

Mais preocupante para Carlos Guerra são as condições em que o filho está detido na cadeia de Becora.

Durante várias semanas dividiu cela com vários detidos já condenados, depois, já no final do ano passado, passou para outra com sete outros presos preventivos.

"Toda a gente fumava na cela. E ele acabou por ter problemas respiratórios e outros que o deixaram muito doente, acabando por ser hospitalizado. Agora divide uma cela com apenas um outro detido. A cela tem um buraco no chão a servir de casa de banho e o Tiago dorme no chão", descreveu.

Conversou com o filho presencialmente uma vez, quando visitou a cadeia a 31 de outubro e, desde aí, apenas duas vezes, ao telefone, a 17 de dezembro, dia dos anos da mãe, e a 01 de janeiro, dia do aniversário do filho mais velho.

"Acho que o caso é político. Só pode ser. Não há nenhum facto. Zero. Nenhum que incrimine o Tiago. Não posso entrar em pormenores mas não há nenhum facto. Está preso por suspeitas. E aplicam a medida máxima de coação por suspeitas", acrescentou.


Lusa
  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • Explosão próximo do aeroporto de Damasco

    Mundo

    A televisão do movimento xiita libanês Hezbollah, aliado do regime sírio, noticiou hoje que a explosão ocorrida esta madrugada perto do aeroporto de Damasco "foi provavelmente" resultado de um ataque israelita contra depósitos de combustível.

  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Os filhos do divórcio
    20:50
  • Carro que atropelou adepto encontrado na casa de um amigo do suspeito
    2:18

    Desporto

    O carro que terá atropelado o adepto italiano que morreu junto ao Estádio da Luz foi encontrado esta terça-feira, numa garagem na Amadora, na casa de um amigo do suspeito. Trata-se de um homem na casa dos 30 anos que pertence à claque No Name boys e é agora procurado pela Polícia Judiciária.

  • "Esta moda bizarra de não vacinar crianças tem tido estas consequências"
    1:43

    Surto de sarampo

    Há mais um caso de sarampo registado pela Direção-Geral da Saúde, no total já são 25. Francisco George garantiu que a situação não é preocupante para as crianças em idade escolar e recomendou uma discussão parlamentar sobre a vacinação. Mais de 11 mil pessoas já assinaram uma petição pública a defender a vacinação obrigatória. 

  • Web Summit inaugura primeiro escritório fora da Irlanda em Lisboa
    1:58

    Web Summit

    A Web Summit inaugurou em Lisboa o primeiro escritório fora da Irlanda, que vai dar emprego a 20 pessoas, algumas portuguesas. O próximo objectivo é alargar eventos a outros pontos do país. A conferência internacional regressa a Lisboa entre 6 e 9 de novembro e a organização espera ter 60 mil participantes.