sicnot

Perfil

País

Mais de 1.500 professores inscritos para segunda fase da Prova de Avaliação

Mais de 1.500 professores contratados com menos de cinco anos de serviço realizam esta semana a componente específica da Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades (PACC), sob o pré-aviso de greve de sete organizações sindicais.

(AP/ Arquivo)

(AP/ Arquivo)

(Francisco Seco/ AP)

Ao todo, são 1.565 candidatos ao ensino que vão fazer 2.338 provas, uma vez que alguns professores fazem mais do que um exame necessário ao acesso aos concursos de colocação para dar aulas, de acordo com dados do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE).

Português (621) e Matemática (595) são os grupos de recrutamento que reúnem o maior número de inscrições para o exame.

Os candidatos a lecionar no 1.º Ciclo fazem sempre duas provas: Português e Matemática de nível 1, segundo a mesma fonte.

Para Educação Física estão inscritos 237 candidatos e para a prova do pré-escolar 164. Segue-se o exame de inglês (97 candidatos) educação especial (93), biologia e geologia 83, artes visuais (82) e física e química (73).

Na prova de História estão inscritos 57 candidatos, na de espanhol 56 e na de geografia 53.

Vão igualmente decorrer provas de francês para 35 professores, de informática (24), música (23) filosofia (18), alemão (14), economia (12) e eletrotecnia (1).

A componente específica da prova realiza-se entre quarta-feira e sexta-feira, ao abrigo de um despacho publicado em Diário da República.

De acordo com os diretores escolares, as provas vão decorrer em 76 escolas, em apenas uma sala por cada estabelecimento de ensino.

Os dados do IAVE indicam que 963 professores fazem apenas uma prova, enquanto 436 realizam duas provas. Há 161 candidatos que se submetem a três provas e cinco que irão fazer quatro provas.

Sete organizações sindicais, incluindo a Federação Nacional dos Professores (FENPROF), emitiram um pré-aviso de greve para o trabalho relacionado com a PACC e apelaram aos professores do quadro para não vigiarem os exames dos colegas.

A prova foi criada durante a governação socialista de José Sócrates, mas nunca chegou a ser aplicada devido à forte oposição dos sindicatos, que a consideram uma humilhação e uma forma de retirar professores do sistema.

Para o ministro da Educação, Nuno Crato, trata-se de recrutar os melhores professores.

Na sequência das ações judiciais desencadeadas pelos sindicatos e contestadas pelo Ministério da Educação, a questão está neste momento para apreciação no Tribunal Constitucional.

 Na primeira fase da prova (componente comum), realizada em dezembro, ficaram aprovados 1.636 inscritos.

Lusa

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • Sociedade de Pneumologia recomenda cuidados com calor e incêndios

    País

    A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) alertou esta quarta-feira para os riscos respiratórios decorrentes dos incêndios e temperaturas elevadas, sobretudo para quem sofre de doenças crónicas, propondo medidas preventivas e recordando o aumento de mortalidade associado ao calor.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira

  • "Estou grávida! Estou a morrer!"
    1:14
  • Mulher vive sozinha numa ilha há 40 anos

    Mundo

    Zoe Lucas é a única pessoa a viver numa ilha canadiana, no norte do Atlântico. Nas últimas quatro décadas, a mulher de 67 tem partilhado a ilha Sable com cerca de 400 cavalos selvagens e 350 espécies de pássaros.