sicnot

Perfil

País

Académica de Coimbra não almoça com Passos para protestar contra cortes na Educação

Os estudantes de Coimbra vão estar hoje em protesto, de pés e mãos atados, contra os cortes na Educação, à mesma hora que outros almoçam com o primeiro-ministro, em Braga, para assinalar o Dia do Estudante.

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

Esta é uma das várias iniciativas de protesto com que os alunos do ensino superior de várias instituições pretendem marcar a data de hoje.

 

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, almoça em Braga, por volta das 13:00, com representantes de várias associações académicas nacionais.

 

Na segunda-feira, a académica de Coimbra, pela voz do seu presidente, Bruno Matias, recusou o convite de Passos Coelho.

 

"O Dia do Estudante deve ser celebrado com os estudantes, unidos, a reivindicar por melhores condições e por um ensino superior com mais qualidade", sublinhou o presidente da AAC, Bruno Matias, referindo que esta posição surge em sentido contrário à da maioria do movimento associativo nacional, que se irá sentar à mesa com Pedro Passos Coelho.

 

A académica de Coimbra convocou, por isso, os estudantes para uma ação de protesto, que começa com uma concentração ao meio dia no Largo D. Dinis, que segue, pelas 12:30, em arruada, até à sede da Associação Académica de Coimbra (AAC), onde, pelas 13:00, onde se deverá formar um cordão humano estudantil, de pés e mãos atados, contra os cortes no ensino superior.

 

Para o dirigente estudantil, a presença na rua nesse dia "é mais importante do que almoços com o primeiro-ministro", de cujos resultados políticos duvida assim como da "discussão profunda" do ensino superior português.

 

"Os problemas não se resolvem em almoços", apontou Bruno Matias, considerando o convite "deselegante".

 

Na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, com polo em Almada, os estudantes vão pintar uma faixa negra para denunciar os problemas na instituição, e em Setúbal, os alunos do politécnico, protestam de forma semelhante, pintando uma faixa negra e preenchendo um livro negro com os problemas da sua escola.

 

Os cortes na educação já tinham levado os alunos do ensino básico e secundário em manifestarem-se nas ruas, num dia de luta nacional, que em Lisboa culminou num protesto frente ao Ministério da Educação e Ciência, exigindo a demissão do ministro Nuno Crato e melhores condições nas escolas.

 

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.