sicnot

Perfil

País

Congresso de autarcas vai debater autonomia, financiamento e descentralização

A autonomia do poder local, o acesso a fundos comunitários e a descentralização de competências para as autarquias são os principais temas do congresso que mais de mil autarcas iniciam na sexta-feira em Tróia, no concelho de Grândola.

(Arquivo)

O XXII Congresso da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) tem como lema "Afirmar Portugal com o Poder Local" e decorre sexta-feira e sábado, tendo estado previsto para o final de 2015, mas foi antecipado devido à "inequívoca discordância" dos autarcas em relação ao Orçamento do Estado para 2015 e à exigência do "fim das intervenções governamentais, que limitam cada vez mais a autonomia política, administrativa e financeira dos municípios", entre outras razões.

 

Os autarcas estiveram reunidos em grupos de trabalho e apresentarão as conclusões de reflexão sobre temas que vão da autonomia, do financiamento do poder local à gestão dos fundos comunitários disponíveis para as autarquias no quadro comunitário Portugal 2020.

 

Manuel Machado (PS), presidente da ANMP, tem vindo a alertar para a perda de autonomia do poder local, com a intromissão do Governo em matérias que constitucionalmente pertencem às autarquias.

 

Os constrangimentos "financeiros e burocráticos do Estado acabam por servir para legitimar, por parte do Governo, todo o tipo de intromissões na autonomia das autarquias locais, o que é inaceitável", disse Manuel Machado, também presidente da Câmara de Coimbra, em entrevista à Lusa.

 

Uma das preocupações dos autarcas está relacionada com a falta de autonomia de decisão de projetos municipais a apoiar pelo quadro comunitário de apoio Portugal 2020.

 

Segundo o vice-presidente da ANMP Almeida Henriques, que vai apresentar um painel sobre "Fundos Comunitários", "há áreas em que Estado central parece querer decidir sozinho, sem ouvir sequer os municípios, em matérias que são claramente dos municípios".

 

A presença do Estado no território e o projeto de descentralização de competências do Governo nos municípios em áreas como a Educação, Saúde, Ação Social e Cultura são outros dos temas polémicos deste congresso.

 

Em meados de janeiro, a ANMP já deu "parecer desfavorável" à transferência de competências para as autarquias nos termos propostos pelo Governo.

 

Em declarações à Lusa, Rui Santos (PS), presidente da Câmara de Vila Real, que vai intervir sobre "O Estado no Território", defende que tem de existir a garantia de serviços públicos de proximidade em todo o país, mas especialmente nos territórios de baixa densidade.

 

Os autarcas consideram que estes serviços "são o garante da sobrevivência dos territórios" e a sua manutenção não pode ser avaliada conforme cálculos financeiros associados à sua rentabilidade económica, mas ter em conta a sua "rentabilidade social".

 

Pela primeira vez, o Congresso terá um painel de conferencistas convidados que abordarão os principais temas na perspetiva de cidadãos que não são autarcas.

 

O deputado António Filipe (PCP) abordará "A autonomia do Poder Local", o ex-ministro da economia Augusto Mateus "Os Novos Desafios do Poder Local no Portugal 2020", o fiscalista António Lobo Xavier falará sobre "O Financiamento do Poder Local" e o economista João Salgueiro sobre "O Poder Local e a Competitividade económica de base territorial".

 

 Lusa

 

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.