sicnot

Perfil

País

Crianças resgatadas de naufrágio no Tejo estão em observação

Nove crianças e um adulto deram entrada hoje no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, após o naufrágio de duas embarcações no rio Tejo, disse à agência Lusa fonte hospitalar.

De acordo com o gabinete de comunicação do Hospital São Francisco Xavier, as crianças têm entre os 10 e os 13 anos, e não entre os 13 e os 19, como havia informado a Polícia Marítima, e o adulto tem 23 anos.

"Duas crianças já tiveram alta, portanto, estão ainda sete em observação, assim como o adulto, mas não são casos graves e espera-se que tenham alta ainda hoje", disse a mesma fonte.

Duas embarcações com dez pessoas a bordo naufragaram ao início da tarde no rio Tejo, junto à Ponte 25 de Abril, em Lisboa, informou fonte da Polícia Marítima.

De acordo com o comandante Cruz Gomes, os ocupantes das embarcações foram todos resgatados e apenas três se encontravam em "aparente estado de hipotermia".

A mesma fonte indicou que o incidente ocorreu cerca das 14:00 e terá sido motivado pelo vento forte.

A operação de resgate foi feita por uma embarcação da autoridade marítima local e apoiada por quatro viaturas do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

O INEM acrescentou à Lusa que o acidente ocorreu "frente às Docas e ao Bar Havana", em Lisboa, e que fez deslocar para o local 1 Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER), três ambulâncias e uma moto.

Lusa
  • José Eduardo dos Santos há 38 anos no poder
    2:42

    Mundo

    José Eduardo dos Santos foi o segundo Presidente com mais tempo de liderança a nível mundial, quase 38 anos. Este ano, anunciou que não voltaria a concorrer às eleições, mas mantêm-se, por enquanto, como presidente do MPLA. No dia em que os angolanos foram às urnas para escolher o seu sucessor, apresentamos a vida de José Eduardo dos Santos.

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.