sicnot

Perfil

País

Não há "escapadinha" para maioria dos Portugueses na Páscoa

36% dos portugueses vão gozar férias na Páscoa, sendo que 28% escolheram o território nacional para o efeito, de acordo com um estudo hoje divulgado pelo IPDT -- Turismo de Portugal.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Segundo o inquérito realizado pelo Turismo de Portugal e que será publicado na sua página oficial no Facebook , 35,5% dos 220 inquiridos respondeu que tinha intenção de gozar férias no período pascal, enquanto 64,5% frisaram que não tinha objetivos de fazer uma pausa naquela altura do ano.

Relativamente a 2014, os resultados apresentam um decréscimo de 3,4% no número de portugueses que tenciona fazer férias naquele período.

A esmagadora maioria daqueles que responderam que não pretendem gozar férias durante a Pascoa (40,5%) justificou que não o faz porque não o tem por hábito, enquanto 18,2% afirmou não ter capacidade financeira para o fazer.

Dos 36% que assumiram que vão fazer férias na Páscoa, 28% escolheram o território nacional, enquanto que 8% optaram pelo estrangeiro. Dos que ficam em Portugal, 20% disse que vai passar uma ou mais noites em lazer, enquanto 16% afirmaram farão uma visita a familiares ou amigos.

O inquérito sobre a "Intenção de férias no período da Páscoa em 2015", a que a agência Lusa teve acesso, foi realizado entre os dias 10 e 20 de março deste ano.

A página do Facebook do IPDT - Instituto de Portugal tem cerca de 3.000 seguidores, sendo acedida por utilizadores de diferentes cidades do país, como Lisboa, Porto, Funchal, Aveiro, Viana do Castelo, Braga ou Coimbra, mas também por utilizadores do Brasil, Reino Unido, França, Argentina, Alemanha ou Espanha.

De acordo com o IPDT, o perfil de utilizadores da página demonstra que 59% são mulheres e que a maioria tem idades compreendidas entre os 25 e 44 anos.


Com Lusa

  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.