sicnot

Perfil

País

Miguel Albuquerque diz que não está para aturar "palhaçadas políticas"

O cabeça de lista do PSD às eleições de domingo na Madeira, Miguel Albuquerque, disse hoje não estar disposto a aturar "palhaçadas políticas" e pediu "humildemente" uma maioria absoluta para governar a região autónoma com "rumo e estabilidade".

HOMEM DE GOUVEIA

"Vivemos, hoje, um momento histórico, um momento importantíssimo na história da Madeira. Nós não estamos para aturar palhaçadas políticas. A política é uma atividade demasiado séria para ser encarada de uma forma leviana", disse Miguel Albuquerque num jantar/comício, no Funchal, que juntou mais de cinco mil pessoas, segundo a organização.

O cabeça de lista do PSD criticou os adversários políticos, particularmente a coligação Mudança (PS, PTP, PAN e MPT), considerando que, ao nível da Câmara Municipal do Funchal, onde lidera o executivo e conta também com a presença do BE, não passa de um "bluff". 

"Basta olhar para a Câmara do Funchal para saber o que é que aconteceu com essa Mudança: brigas internas, conversa fiada, incapacidade executiva, esclerose administrativa, desentendimentos, falta de capacidade de resposta às solicitações dos cidadãos, obra zero", disse Miguel Albuquerque.

O candidato social-democrata salientou que os objetivos do partido são, neste momento, a Região Autónoma da Madeira e o povo madeirense. "Temos que estar cientes que é um trabalho fundamental que todos temos que fazer, em nome do presente, mas sobretudo em nome das futuras gerações", sublinhou, prometendo iniciar um "novo ciclo para os madeirenses e os porto-santenses", onde a social-democracia liderará uma "nova esperança para a nossa região".

Miguel Albuquerque afirmou, por outro lado, que toda a oposição regional "estava enganada" quando pensou que o PSD tinha entrado em decadência, que estava dividido e não tinha hipótese de ganhar de novo a confiança do eleitorado. 

"Os sociais-democratas madeirenses mais uma vez assumiram as suas responsabilidades perante o momento histórico que vivemos. O nosso partido fez uma renovação tranquila. Abriu-se aos cidadãos e à juventude e recentrou a sua ação junto do nosso povo e, agora, no próximo domingo, vamos ganhar as eleições", declarou. 

Entre as promessas que fez aos milhares de apoiantes que participaram no jantar/comício, conta-se a reforma o sistema político regional e luta por um regime fiscal próprio. Também garantiu apoios aos mais desfavorecidos e vulneráveis, bem como aos setores da educação, saúde e agricultura. 

O PSD é uma das 11 forças políticas que concorrem às eleições legislativas antecipadas de domingo na Madeira. O ato eleitoral foi marcado na sequência da demissão do presidente do Governo Regional, Alberto João Jardim, depois de ter sido substituído na liderança do PSD por Miguel Albuquerque.


Lusa
  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.