sicnot

Perfil

País

Miguel Albuquerque diz que não está para aturar "palhaçadas políticas"

O cabeça de lista do PSD às eleições de domingo na Madeira, Miguel Albuquerque, disse hoje não estar disposto a aturar "palhaçadas políticas" e pediu "humildemente" uma maioria absoluta para governar a região autónoma com "rumo e estabilidade".

HOMEM DE GOUVEIA

"Vivemos, hoje, um momento histórico, um momento importantíssimo na história da Madeira. Nós não estamos para aturar palhaçadas políticas. A política é uma atividade demasiado séria para ser encarada de uma forma leviana", disse Miguel Albuquerque num jantar/comício, no Funchal, que juntou mais de cinco mil pessoas, segundo a organização.

O cabeça de lista do PSD criticou os adversários políticos, particularmente a coligação Mudança (PS, PTP, PAN e MPT), considerando que, ao nível da Câmara Municipal do Funchal, onde lidera o executivo e conta também com a presença do BE, não passa de um "bluff". 

"Basta olhar para a Câmara do Funchal para saber o que é que aconteceu com essa Mudança: brigas internas, conversa fiada, incapacidade executiva, esclerose administrativa, desentendimentos, falta de capacidade de resposta às solicitações dos cidadãos, obra zero", disse Miguel Albuquerque.

O candidato social-democrata salientou que os objetivos do partido são, neste momento, a Região Autónoma da Madeira e o povo madeirense. "Temos que estar cientes que é um trabalho fundamental que todos temos que fazer, em nome do presente, mas sobretudo em nome das futuras gerações", sublinhou, prometendo iniciar um "novo ciclo para os madeirenses e os porto-santenses", onde a social-democracia liderará uma "nova esperança para a nossa região".

Miguel Albuquerque afirmou, por outro lado, que toda a oposição regional "estava enganada" quando pensou que o PSD tinha entrado em decadência, que estava dividido e não tinha hipótese de ganhar de novo a confiança do eleitorado. 

"Os sociais-democratas madeirenses mais uma vez assumiram as suas responsabilidades perante o momento histórico que vivemos. O nosso partido fez uma renovação tranquila. Abriu-se aos cidadãos e à juventude e recentrou a sua ação junto do nosso povo e, agora, no próximo domingo, vamos ganhar as eleições", declarou. 

Entre as promessas que fez aos milhares de apoiantes que participaram no jantar/comício, conta-se a reforma o sistema político regional e luta por um regime fiscal próprio. Também garantiu apoios aos mais desfavorecidos e vulneráveis, bem como aos setores da educação, saúde e agricultura. 

O PSD é uma das 11 forças políticas que concorrem às eleições legislativas antecipadas de domingo na Madeira. O ato eleitoral foi marcado na sequência da demissão do presidente do Governo Regional, Alberto João Jardim, depois de ter sido substituído na liderança do PSD por Miguel Albuquerque.


Lusa
  • Avião cruza-se com drone a 900 metros de altitude
    2:01
  • Depois do Fogo
    23:30
  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Naufrágio na Colômbia registado em vídeo
    2:11
  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • O último adeus a Miguel Beleza

    País

    O velório do economista e ex-ministro das Finanças realiza-se esta segunda-feira na Igreja do Campo Grande, em Lisboa, a partir das 18h00.

  • Trump quebra tradição da Casa Branca com 20 anos

    Mundo

    Donald Trump decidiu não fazer um jantar de celebração pelo fim do Ramadão, o mês em que os muçulmanos cumprem jejum entre o nascer e o pôr do sol. O Presidente dos Estados Unidos quebrou a tradição da Casa Branca, pela primeira vez em 20 anos.