sicnot

Perfil

País

Marcelo diz que líder do PS ficou nervoso com candidatura de Henrique Neto

O professor universitário e antigo presidente do PSD Marcelo Rebelo de Sousa disse hoje que o secretário-geral do PS "ficou nervoso" com a candidatura à Presidência da República de Henrique Neto, que considerou uma "hipótese perfeitamente admissível".

Lusa

Aos jornalistas, em Porto de Mós, no distrito de Leiria, à margem de uma sessão dos 40 anos/homenagem aos militantes do PSD, ao comentar as palavras de António Costa, que afirmou ser-lhe indiferente o avanço do militante socialista, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que "o PS esteve mal na reação à candidatura de Henrique Neto".

"Foi minha impressão, mas dir-se-ia que o secretário-geral do PS ficou nervoso, ficou irritado", declarou.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, "é evidente que, provavelmente, isso escapou à sua previsão, ou não era exatamente o que queria ou é uma dispersão ou é um facto que constitui, do seu ponto de vista, ruído".

"Eu teria tido outra reação, teria tido uma reação de maior 'fair-play', dizer 'com certeza, isto faz parte em 35 anos. É uma pessoa já com uma experiência muito considerável, quer empresarial, quer política, porque é que não há de ser candidato? Muito bem, avance'", adiantou.

Marcelo Rebelo de Sousa disse ainda não ter ficado surpreendido com a candidatura de Henrique Neto.

 "Era uma candidatura previsível ou, pelo menos, admissível. É uma pessoa que tem intervindo politicamente ao longo do tempo, sendo socialista é muito independente, é muito autónomo, e, portanto, era uma hipótese perfeitamente admissível", sustentou o também comentador televisivo, igualmente apontado como presidenciável à direita nas eleições de 2016.

À pergunta se o PS vai perder com esta candidatura, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu que se está "tão longe das eleições presidenciais, ainda ninguém sabe quem é o candidato propriamente forte ou mais forte da área socialista", pelo que "é muito cedo para fazer previsões".

"Quando muito, o que podemos dizer é que, provavelmente há à partida muitos candidatos a candidatos ou candidatos mesmo, mas só se vai perceber isso depois das legislativas", referiu.

Sobre as declarações do vice-presidente do PSD Marco António Costa, que admitiu ao Observador que o partido tenha que tomar uma decisão sobre que candidato presidencial apoiar antes das eleições legislativas, Marcelo Rebelo de Sousa reafirmou que tem uma opinião contrária.

"O vice-presidente Marco António entende que tem que ser antes, eu acho que devia ser depois, mas é evidente que ele como é vice-presidente do partido, tem mais peso, no sentido de que a minha opinião é uma opinião de analista, de comentador, enquanto a opinião dele é a opinião de quem está na direção do partido e considera que é bom", notou.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, não é bom porque "um candidato que arranque a esta distância" - maio, junho, julho -- "fica acorrentado à campanha legislativa e, portanto, está por provar que vai dar mais votos ao partido ou à coligação e corre um risco muito grande, é o de, se o resultado nas legislativas não é bom, ser puxado para baixo em termos de presidenciais".

"Depois, já não dá para fazer um 'golpe de rins' e dizer que não teve nada a ver com a campanha legislativa. Mas se o partido acha isso bem, o partido é que sabe", acrescentou.

Lusa
  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.