sicnot

Perfil

País

Presidente da CAP elogia "grandes atributos técnicos" de Sevinate Pinto

 O presidente da Confederação de Agricultores Portugueses (CAP), João Machado, afirmou hoje que é com "uma tristeza muito grande" que se despede do antigo ministro da Agricultura Sevinate Pinto, que morreu esta noite, elogiando os seus "grandes atributos técnicos".

"É uma tristeza muito grande, era um amigo, era uma pessoa que tinha grandes atributos técnicos na área da agricultura. Trabalhou a vida inteira [no setor], era ele próprio agricultor e foi também assessor do Presidente da República, onde fez um trabalho notável", disse à Lusa João Machado, acrescentando que "é uma perda não só para os amigos mas também para a agricultura".



Natural de Ferreira do Alentejo, no distrito de Beja, Armando José Cordeiro Sevinate Pinto morreu esta noite num hospital de Lisboa, aos 69 anos de idade.



Licenciado em Engenharia Agrónoma pelo Instituto Superior de Agronomia, Sevinate Pinto foi ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XV Governo Constitucional PSD/CDS-PP, liderado por Durão Barroso, entre 06 de abril de 2002 a 17 de julho de 2004.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.