sicnot

Perfil

País

Braga à frente dos seis distritos com mais criminalidade violenta em 2014

Braga, Bragança, Portalegre, Porto, Viana do Castelo e Vila Real foram os seis distritos do país que registaram subida das participações da criminalidade violenta e grave, em 2014, revela o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI), entregue hoje no parlamento.

SIC

SIC

Braqa foi o distrito onde a subida foi maior (+5,7%), passando de 838 participações, em 2013, para 868 casos, no ano passado. 

Também o distrito do Porto registou um aumento (+4,1%) de participações de crimes graves e violentos, com 2.990 casos em 2014, mais 117 do que em 2013.

Bragança teve mais cinco casos (passou de 78 para 83), o que significou uma subida de 6,4% de participações.

As descidas mais significativas na criminalidade violenta e grave verificaram-se em Viseu (-40%), Guarda (-29,4%), Coimbra (-26%), Santarém (-23,3%) e Setúbal (-10%).

Em Viseu, onde a descida foi mais acentuada, o número de participações em 2014 foi de 141 casos, contra 235 em 2013.

Nos Açores, a criminalidade grave e violenta desceu 9,9% (163 casos em 2014, contra 181 em 2013), tendo a descida, na Madeira, sido ligeiramente inferior (-7,7%), com uma redução de 19 casos (227 participações em 2014, perante as 246 de 2013).

Em Lisboa, a descida ficou-se pelos 3,7%, com 8.569 participações em 2014, contra 8.913, em 2013.

A criminalidade violenta e grave desceu 5,4 por cento, em 2014, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI), hoje entregue na Assembleia da República. 

De acordo com o relatório, que apresenta os principais resultados da criminalidade e atividade das forças e serviços de segurança, no ano passado registaram-se 19.061 casos de criminalidade violenta e grave, menos 1.086 do que em 2013.

Lusa

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.