sicnot

Perfil

País

Empresa acusada de forjar contrato de trabalho para legalizar imigrante

O Ministério Público acusou dois sócios de uma empresa de Barcelos de falsificação de documentos e auxílio à imigração ilegal, num processo que envolve um falso contrato de trabalho com uma mulher estrangeira, informou hoje o SEF.

Em comunicado, o SEF refere que os dois detidos foram presentes aos tribunais de Aveiro e Espinho. (Arquivo)

Em comunicado, o SEF refere que os dois detidos foram presentes aos tribunais de Aveiro e Espinho. (Arquivo)

SIC

Em comunicado, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) especifica que os dois sócios são pai e filha e terão agido "concertadamente" com uma cidadã estrangeira para legalizar a sua permanência em Portugal.

Além de um falso contrato de trabalho, os arguidos terão também elaborado falsos recibos de vencimento, documentos que permitiram que a cidadã estrangeira requeresse legalização junto do SEF.

Este organismo investigou o caso e desvendou "o logro", tendo agora os sócios da empresa sido acusados da coautoria dos crimes de falsificação de documentos e auxílio à imigração ilegal.

A mulher estrangeira, que é procurada em Espanha para afastamento coercivo, foi acusada do crime de falsificação de documentos de forma continuada.

Lusa
  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.