sicnot

Perfil

País

Empresa acusada de forjar contrato de trabalho para legalizar imigrante

O Ministério Público acusou dois sócios de uma empresa de Barcelos de falsificação de documentos e auxílio à imigração ilegal, num processo que envolve um falso contrato de trabalho com uma mulher estrangeira, informou hoje o SEF.

Em comunicado, o SEF refere que os dois detidos foram presentes aos tribunais de Aveiro e Espinho. (Arquivo)

Em comunicado, o SEF refere que os dois detidos foram presentes aos tribunais de Aveiro e Espinho. (Arquivo)

SIC

Em comunicado, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) especifica que os dois sócios são pai e filha e terão agido "concertadamente" com uma cidadã estrangeira para legalizar a sua permanência em Portugal.

Além de um falso contrato de trabalho, os arguidos terão também elaborado falsos recibos de vencimento, documentos que permitiram que a cidadã estrangeira requeresse legalização junto do SEF.

Este organismo investigou o caso e desvendou "o logro", tendo agora os sócios da empresa sido acusados da coautoria dos crimes de falsificação de documentos e auxílio à imigração ilegal.

A mulher estrangeira, que é procurada em Espanha para afastamento coercivo, foi acusada do crime de falsificação de documentos de forma continuada.

Lusa
  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.