sicnot

Perfil

País

Greve de revisores da CP na Páscoa sem serviços mínimos

Não vai haver serviços mínimos durante a greve dos revisores da CP, marcada para esta Páscoa. Uma decisão do tribunal arbitral do Conselho Económico e Social, que a empresa já considerou como "leviana".

A CP prevê perturbações na circulação de comboios nos próximos dias, já que, além dos dois dias de greve dos revisores, vai também haver uma paralisação ao trabalho extraordinário, convocada pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor. Um protesto contra a redução do pagamento do valor pago nos feriados. (Arquivo)

A CP prevê perturbações na circulação de comboios nos próximos dias, já que, além dos dois dias de greve dos revisores, vai também haver uma paralisação ao trabalho extraordinário, convocada pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor. Um protesto contra a redução do pagamento do valor pago nos feriados. (Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

O tribunal decidiu que, durante a greve dos revisores, marcada para quinta e segunda-feira, todos os comboios que iniciem a marcha têm de chegar ao destino, e considerou que não estavam reunidos os pressupostos para que se imponham serviços mínimos aos grevistas.

Os revisores reclamam o cumprimento de uma decisão judicial que prevê o pagamento dos complementos nos subsídios, desde 1996. 

A CP prevê perturbações na circulação de comboios nos próximos dias, já que, além dos dois dias de greve dos revisores, vai também haver uma paralisação ao trabalho extraordinário, convocada pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor. Um protesto contra a redução do pagamento do valor pago nos feriados.
  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.