sicnot

Perfil

País

Quase todo o país com risco muito alto de exposição à radiação ultravioleta

Todas as regiões do país, com exceção dos Açores, apresentam hoje risco muito alto e alto de exposição à radiação ultravioleta, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Para hoje é previsto céu pouco nublado ou limpo no continente.

De acordo com o IPMA, o Funchal (Madeira) apresenta hoje risco muito alto de exposição à radiação ultravioleta (UV) enquanto as regiões de Aveiro, Beja, Bragança, Braga, Castelo Branco, Coimbra, Évora, Faro, Guarda, Leiria, Lisboa, Penhas Douradas, Porto, Portalegre, Porto Santo, Sagres, Santarém, Setúbal, Sines, Viana do Castelo, Viseu e Vila Real estão com níveis altos.

Para as regiões com níveis muito altos e altos, o IPMA recomenda o uso de óculos de sol com filtro UV, chapéu, 't-shirt', guarda-sol e protetor solar e evitar a exposição das crianças ao sol.

De acordo com o IPMA, a radiação ultravioleta pode causar graves prejuízos para a saúde se o nível exceder os limites de segurança, sendo que o índice desta radiação apresenta cinco níveis, entre o baixo e o extremo, com onze.

O IPMA prevê para hoje no continente céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de maior nebulosidade no litoral das regiões norte e centro até meio da manhã, vento fraco a moderado do quadrante norte, soprando moderado a forte no litoral oeste, com rajadas da ordem dos 60 quilómetros por hora a norte do Cabo Raso durante a tarde, e nas terras altas.

A previsão aponta ainda para a possibilidade de ocorrência de neblina ou nevoeiro matinal e pequena subida da temperatura máxima na região norte.

Na Madeira prevê-se períodos de céu muito nublado, possibilidade de ocorrência de aguaceiros fracos nas vertentes norte, vento moderado de nordeste, soprando fraco nas vertentes sul e pequena descida da temperatura máxima.

Para os Açores prevê-se períodos de céu muito nublado com abertas, aguaceiros fracos no grupo Ocidental e dispersos e vento sueste moderado a fresco.

Quanto às temperaturas, em Lisboa vão oscilar entre 11 e 22 graus Celsius, no Porto entre 9 e 18, em Vila Real entre 7 e 26, em Viseu entre 6 e 24, em Bragança entre 5 e 26 na Guarda entre 9 e 20, em Castelo Branco entre 9 e 28, em Évora entre 8 e 26, em Beja entre 9 e 28, em Faro entre 14 e 27, no Funchal entre 14 e 21, em Ponta Delgada entre 13 e 18, em Angra do Heroísmo entre 14 e 18 e em Santa Cruz das Flores entre 15 e 19.



Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.