sicnot

Perfil

País

Santana diz que próximo Presidente deve "promover mudanças"

Santana diz que próximo Presidente deve "promover mudanças"

O antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes voltou a sugerir que Marcelo Rebelo de Sousa se perfila como "um quase candidato" às presidenciais de 2016. Ontem à noite, num debate organizado pelo PSD, Santana Lopes considerou que o próximo chefe de Estado deve promover mudanças no país.

Pedro Santana Lopes e o ex-secretário-geral da CGTP Manuel Carvalho da Silva participaram no debate "Percursos feitos - Desafios atuais", no âmbito de uma iniciativa dedicada a Francisco Sá Carneiro, organizada pelo PSD da Moita, que decorreu na Biblioteca Municipal.

"É importante perceber o que cada um dos possíveis candidatos presidenciais pensa sobre o país. O próximo Presidente da República tem que se assumir muito como chefe de Estado, na prática, pois já passou o tempo do Presidente sentado no seu lugar", afirmou.

Santana Lopes referiu que o Presidente da República tem que ser "proactivo e próximo dos cidadãos", de modo a conseguir resolver alguns problemas.

"Tem que estar acima dos poderes do Estado e ser institucionalmente solidário, seja qual for a cor do Governo. Não há países em que o Presidente da República e o primeiro-ministro discutam em público. Em Portugal parece que existem datas marcadas para o Presidente divergir, como por exemplo o discurso do 25 de Abril ou do ano novo", defendeu.

Por seu turno, Carvalho da Silva referiu que é preciso construir um "novo compromisso" para o país, considerando que é necessário valorizar a produção, revalorizar as classes médias e conseguir acordos em relação ao trabalho.

"O Presidente da República não é o Governo, mas tem obrigação de interpretar o seu papel, envolver o cidadãos e trazer questões para a agenda política. O atual fez muitas coisas más, que fizeram desvalorizar o seu papel", disse.

Já Santana Lopes afirmou que, com o fim do segundo mandato do Presidente da República e com as eleições legislativas, se está a encerrar um ciclo e que é preciso fazer um "relatório e contas".

"Temos que fazer um relatório e contas. O país chegou a este ponto e agora, neste fim de ciclo, não podemos escolher as mesmas vias e as mesmas pessoas. A sociedade precisa de uma revolução, depois deste relatório, para um novo ciclo. Temos que ver o que cada um fez e o que se propõe a fazer", frisou.

Carvalho da Silva defendeu, por sua vez, que é preciso romper com o passado.

"A sociedade tem sido dominada pelas mesmas estruturas de elite e, como estamos a chegar a uma fase nova, precisamos de um Presidente que rompa com esta lógica e traga coisas novas. Tem que saber interpretar o seu papel, mas tem que ser capaz de responder aos anseios do povo", concluiu.


Com Lusa
  • Marinha e Exército dão luz verde ao Aeroporto do Montijo

    País

    De acordo com a edição deste domingo do Diário de Notícias, o Exército e a Marinha já comunicaram à Força Aérea disponibilidade para desocupar parcialmente a base aérea e o Montijo se transformar num num aeroporto complementar ao de Lisboa.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.