sicnot

Perfil

País

Armazenamento de água em março desceu em dez bacias hidrográficas

O volume de água armazenada em março desceu em dez das bacias hidrográficas de Portugal continental e aumentou em apenas duas, comparativamente com o mês anterior, segundo o Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH).

Imagem de arquivo

Imagem de arquivo

© Michael Fiala / Reuters

De acordo com o boletim de armazenamento de albufeiras do SNIRH na Internet, no último dia do mês de março, e relativamente ao mesmo período do mês anterior, verificou-se um aumento do volume armazenado em duas bacias hidrográficas e uma descida em 10. 


Das 58 albufeiras monitorizadas, 30 apresentam disponibilidades hídricas superiores a 80% do volume total e uma tem disponibilidade inferior a 40% do volume total.


Os níveis mais elevados de armazenamento de água em março de 2015 ocorreram nas bacias do Barlavento (97,7%), Oeste (91,1%), Mira (87,3%), do Guadiana (85,8,%), do Tejo (81,2%), do Arade (74,3%), do Cávado (71,1%), do Mondego (70,7%), do Douro (68,9%), do Sado (65,9%), do Lima (62,9%) e no Ave (56,5%).


O SNIRH indica que os armazenamentos de março de 2015, por bacia hidrográfica, apresentam-se superiores às médias dos valores do mesmo mês nos períodos de 1990/91 a 2013/14, exceto para as bacias do Lima, Cávado/Ribeiras Costeiras, Ave, Douro, Mondego e Sado.


A cada bacia hidrográfica pode corresponder mais do que uma albufeira.


Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.