sicnot

Perfil

País

Ministério dá duas semanas à Lusófona para anular 150 processos de equivalências

O Ministério da Educação dá duas semanas à Universidade Lusófona para anular mais de 150 processos de atribuição de equivalências a alunos que frequentaram a instituição desde 2006 e, ao mesmo tempo, para retirar os diplomas e certificados entretanto atribuidos. 

Um dos processos em causa é o do ex-ministro Miguel Relvas que se licenciou na própria Lusófona em 2007. (Arquivo)

Um dos processos em causa é o do ex-ministro Miguel Relvas que se licenciou na própria Lusófona em 2007. (Arquivo)

Armando Franca / AP

Um dos processos em causa é o do ex-ministro Miguel Relvas, que se licenciou na própria Lusófona em 2007.

O ex-ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares já terá sido contactado pela universidade, assim como outros alunos, mas decidiu para já não tomar qualquer posição, uma vez que, o caso está no Tribunal Administrativo.

Segundo a Lusófona, 75 processos académicos estão em via de ser anulados. Em relação aos restantes 77, a universidade aguarda esclarecimentos do Ministério da Educação. Entretanto, está a propor a alguns alunos planos alternativos para não perderem o grau académico.
  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • Bruno de Carvalho e Octávio Machado suspensos

    Desporto

    O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, e o diretor-geral para o futebol, Octávio Machado, foram esta terça-feira suspensos pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, na sequência de uma queixa apresentada pelo Benfica em novembro de 2015.

  • Corredora exausta é levada ao colo até à meta na meia maratona do amor
    1:06

    Mundo

    Aconteceu este domingo em Filadélfia, EUA. A poucos metros da meta uma corredora exausta é amparada por dois colegas. Mas o cansaço é tanto que fica sem força nas pernas. É quando aparece a terceira ajuda. Um homem volta para trás e leva-a no colo até à meta. A centímetros do fim larga-a para que a corredora possa atravessar a meta pelo seu próprio pé.

    Patrícia Almeida

  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho