sicnot

Perfil

País

Greve da CP vai afetar cerca de 1 milhão de passageiros

A greve dos revisores da CP obrigou a companhia a cancelar a maior parte das ligações ferroviárias.Só os comboios de longo curso, o Alfa e o Intercidades, estão a funcionar normalmente.

A CP prevê perturbações na circulação de comboios nos próximos dias, já que, além dos dois dias de greve dos revisores, vai também haver uma paralisação ao trabalho extraordinário, convocada pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor. Um protesto contra a redução do pagamento do valor pago nos feriados. (Arquivo)

A CP prevê perturbações na circulação de comboios nos próximos dias, já que, além dos dois dias de greve dos revisores, vai também haver uma paralisação ao trabalho extraordinário, convocada pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor. Um protesto contra a redução do pagamento do valor pago nos feriados. (Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

O sindicato que convocou a greve diz que a adesão está próximo dos 100%. A CP reconhece que os serviços estão a ser muito afectados, sobretudo nas linhas regionais e interurbanas.

À greve dos revisores, hoje e na segunda feira, junta-se outra, de todos os funcionários, ao trabalho em dias feriados. Ou seja, amanhã, sexta feira santa e domingo de páscoa.

Serão quatro dias de paralização que vão afetar cerca de 1 milhão de passageiros.

  • Vídeo mostra passagem da carrinha a alta velocidade nas Ramblas
    0:33

    Ataque em Barcelona

    O jornal espanhol El Pais divulgou hoje  as primeiras imagens da carrinha que matou 13 pessoas e feriu mais de 100 em Barcelona. O vídeo foi registado por  uma câmara de videovigilância de um museu nas Ramblas. Mostra pessoas a desviarem antes da passagem rápida da carrinha branca. Esta terá sido a parte final do percurso feito pelo veículo.

  • Castelo Branco aposta na cultura para preservar raízes e fomentar turismo
    5:26

    SIC 25 Anos

    Com perto de 200 mil habitantes, o distrito de Castelo Branco luta para criar projetos diferenciadores para atrair e ancorar a população. O desemprego tem vindo a baixar, numa região fortemente envelhecida. A capital do distrito aposta na cultura para preservar as raízes e fomentar o turismo, e a Universidade da Beira Interior tem cada vez mais alunos estrangeiros.