sicnot

Perfil

País

Pedreira remete explicações sobre explosão para empresa que preparou destruição

A administração da Sobrissul remeteu hoje explicações sobre a explosão que ocorreu na quarta-feira à noite na pedreira em Sesimbra para a empresa que preparou a destruição de explosivos, a Maxampor, de Alcochete.

A empresa tinha até ao dia 5 de abril para destruir resíduos. Ao longo do dia, houve várias explosões controladas.

A empresa tinha até ao dia 5 de abril para destruir resíduos. Ao longo do dia, houve várias explosões controladas.

Lusa

"A Maxampor vai prestar esclarecimentos logo que seja oportuno", disse à Lusa uma funcionária da Sobrissul, que se recusou a adiantar mais informações.

Uma destruição programada de resíduos explosivos, realizada numa pedreira, na aldeia de Pedreiras, em Sesimbra, provocou na quarta-feira à noite alarme público nas populações da península de Setúbal e na zona da Grande Lisboa, incluindo Cascais.

O acidente que ocorreu na pedreira da empresa Sobrissul, em Sesimbra, não provocou vítimas e os bombeiros foram desmobilizados às 23:35.

A forte explosão foi ouvida em várias localidades das duas margens do Tejo, até mesmo em Cascais.

O presidente da Câmara de Sesimbra, Augusto Pólvora, afirmou à agência Lusa que as pessoas que tenham sofrido danos provocados pela explosão na pedreira devem apresentar queixa na GNR, de modo a serem indemnizadas. 

"Tenho conhecimento de pelo menos duas pessoas com relatos de vidros partidos e o que as autoridades dizem é que devem apresentar queixa na GNR para identificar os prejuízos, de modo a serem efetuados os autos e depois se possa sustentar uma possível indemnização", disse à Lusa Augusto Pólvora.

De acordo com Augusto Póvoa, a explosão teve origem na queima de cordão detonante.

"A informação que temos do responsável da empresa do material explosivo é que se tratava de material fora de prazo e que foram cumpridas as normas", afirmou.

Augusto Pólvora referiu que o previsto era que os cerca de nove quilómetros de cordão detonante ardessem durante um longo período de tempo.

"O previsto era que ardesse sem explodir. Alguma coisa correu mal e a única razão invocada é que, devido às temperaturas elevadas que se registaram, possa ter acelerado algum processo que fugiu ao controlo", defendeu, referindo que um agente da PSP estava no local a acompanhar a operação.

Segundo o autarca, a operação foi efetuada no fundo da pedreira e não se registaram vítimas.

"Quando houve a explosão, que foi no fundo da pedreira, as pessoas montaram o processo vieram para a zona da entrada, pois era previsto que demorasse algum tempo", defendeu.

O autarca anunciou que não tinha nenhuma informação sobre a operação e que vai analisar o caso.



Lusa
  • Explosão em pedreira assusta de Setúbal a Lisboa
    2:23

    País

    Uma forte explosão numa pedreira de Sesimbra foi sentida ontem à noite numa vasta área, desde a península de Setúbal à zona de Lisboa. Bombeiros, polícia, Proteção Civil e até a redação da SIC receberam centenas de chamadas a dar conta do rebentamento que não fez vítimas, nem estragos de maior. Tratou-se de um processo controlado de destruição de explosivos na empresa Sobrissul, que acabou por ter um impacto maior do que o esperado.

  • O minuto a minuto da explosão em Sesimbra

    País

     Filme dos acontecimentos da explosão, na quarta-feira à noite, em pedreira de Sesimbra pertencente à Sobrissul e motivada pela destruição  controlada de resíduos explosivos. Não se registaram feridos nem danos materiais, segundo os bombeiros de Sesimbra. 

  • Marinha e Exército dão luz verde ao Aeroporto do Montijo

    País

    De acordo com a edição deste domingo do Diário de Notícias, o Exército e a Marinha já comunicaram à Força Aérea disponibilidade para desocupar parcialmente a base aérea e o Montijo se transformar num num aeroporto complementar ao de Lisboa.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.