sicnot

Perfil

País

Porto, Matosinhos e Gaia aplicam medidas para combater gaivotas

As câmaras do Porto, Matosinhos e Gaia colocaram em curso medidas para travar a proliferação de gaivotas naquelas cidades, com destaque para a proibição de alimentar as aves, colocação de pinos em edifícios e falcões no rio Douro.

Lusa

A Câmara Municipal do Porto proíbe, no seu Código Regulamentar, "a alimentação de animais errantes nos espaços verdes e na via pública" e tem vindo a aplicar "métodos que dificultam a nidificação e o pouso das aves em edifícios municipais, como por exemplo a colocação de pinos metálicos".

A georreferenciação de pedidos de intervenção relacionados com gaivotas para estabelecer um plano de controlo do sucesso das medidas preventivas e a realização de ações de sensibilização quando se identificam situações irregulares de alimentação dos animais com entrega de brochuras são outras das medidas aplicadas pela autarquia do Porto.

A Câmara Municipal de Matosinhos informou que tem registado um "aumento de reclamações de munícipes relativas à presença das aves e desde 2011 que está a adotar medidas de "combate à proliferação de larídeos", tais como o "reforço da limpeza de pontos críticos de alimentação das gaivotas", particularmente na "lota" e nos "contentores de resíduos espalhados pela cidade".

A autarquia tem também realizado ações de sensibilização junto da população, "repreendendo a colocação de alimentos para outros animais em jardins e vias públicas".

A Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, por seu turno, relata que tem notado uma maior "presença do falcão-peregrino ao longo do rio Douro e que esse predador tem contribuído para o "controlo da população" de gaivotas.

Gaia está também a fazer o seguimento da nidificação através dos juvenis caídos de ninhos, que são entregues no Centro de Recuperação de Fauna. A autarquia defende ainda que as campanhas de sensibilização também ajudam a minimizar o problema do excesso de gaivotas.

Em finais de novembro de 2008, o presidente da Junta Metropolitana do Porto, Rui Rio, anunciava que o forte crescimento do número de gaivotas na Área Metropolitana do Porto (AMP) ameaçava tornar-se uma praga nas cidades e explicava, nessa altura, que os autarcas da AMP iam solicitar um estudo à Universidade do Porto para definir a melhor estratégia para controlar aquele fenómeno.

Em dezembro de 2011, o relatório final sobre o controlo da população de gaivotas na AMP era revelado e concluía-se que a forte presença das aves aquáticas só seria atenuada com a "eliminação ou redução acentuada" de alimento e da tentativa" de impedir o poiso das gaivotas no património.







Lusa
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52