sicnot

Perfil

País

Porto, Matosinhos e Gaia aplicam medidas para combater gaivotas

As câmaras do Porto, Matosinhos e Gaia colocaram em curso medidas para travar a proliferação de gaivotas naquelas cidades, com destaque para a proibição de alimentar as aves, colocação de pinos em edifícios e falcões no rio Douro.

Lusa

A Câmara Municipal do Porto proíbe, no seu Código Regulamentar, "a alimentação de animais errantes nos espaços verdes e na via pública" e tem vindo a aplicar "métodos que dificultam a nidificação e o pouso das aves em edifícios municipais, como por exemplo a colocação de pinos metálicos".

A georreferenciação de pedidos de intervenção relacionados com gaivotas para estabelecer um plano de controlo do sucesso das medidas preventivas e a realização de ações de sensibilização quando se identificam situações irregulares de alimentação dos animais com entrega de brochuras são outras das medidas aplicadas pela autarquia do Porto.

A Câmara Municipal de Matosinhos informou que tem registado um "aumento de reclamações de munícipes relativas à presença das aves e desde 2011 que está a adotar medidas de "combate à proliferação de larídeos", tais como o "reforço da limpeza de pontos críticos de alimentação das gaivotas", particularmente na "lota" e nos "contentores de resíduos espalhados pela cidade".

A autarquia tem também realizado ações de sensibilização junto da população, "repreendendo a colocação de alimentos para outros animais em jardins e vias públicas".

A Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, por seu turno, relata que tem notado uma maior "presença do falcão-peregrino ao longo do rio Douro e que esse predador tem contribuído para o "controlo da população" de gaivotas.

Gaia está também a fazer o seguimento da nidificação através dos juvenis caídos de ninhos, que são entregues no Centro de Recuperação de Fauna. A autarquia defende ainda que as campanhas de sensibilização também ajudam a minimizar o problema do excesso de gaivotas.

Em finais de novembro de 2008, o presidente da Junta Metropolitana do Porto, Rui Rio, anunciava que o forte crescimento do número de gaivotas na Área Metropolitana do Porto (AMP) ameaçava tornar-se uma praga nas cidades e explicava, nessa altura, que os autarcas da AMP iam solicitar um estudo à Universidade do Porto para definir a melhor estratégia para controlar aquele fenómeno.

Em dezembro de 2011, o relatório final sobre o controlo da população de gaivotas na AMP era revelado e concluía-se que a forte presença das aves aquáticas só seria atenuada com a "eliminação ou redução acentuada" de alimento e da tentativa" de impedir o poiso das gaivotas no património.







Lusa
  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.