sicnot

Perfil

País

Menos camas nos hospitais públicos e mais nos privados entre 2002 e 2013

O número de camas de internamento diminuiu nos hospitais públicos e aumentou nos privados, entre 2002 e 2013, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) a propósito do Dia Mundial da Saúde, que se assinala terça-feira.

(Arquivo)

(Arquivo)

Andres Kudacki / AP

Os dados hoje divulgados indicam que, em 2002, existiam 28.733 camas de internamento nos hospitais públicos, número que baixou para 25.029 em 2013.

Pelo contrário, as camas nos hospitais privados cresceram de 8.429 para 10.474, no mesmo período.

Ou seja, em 2013, os hospitais oficiais tinham aproximadamente menos 3.700 camas de internamento do que em 2002 e os privados mais 2 mil camas.

Ao todo, as camas de internamento passaram de 37.162 em 2002 para 35.503 em 2013: menos 1.659 camas.

De acordo com o INE, em 2013 quase 90% das camas de internamento dos hospitais oficiais eram enfermarias, enquanto no caso dos hospitais privados, a percentagem de camas de internamento em enfermarias, apesar de maioritária, não atingia 60%. 

Nos hospitais privados, os quartos semiprivados e privados representavam cerca de um terço das camas de internamento (3.512), 254 nos hospitais oficiais.

O mesmo documento indica ainda que, em 2013, "registaram-se cerca de 1,2 milhões de internamentos nos hospitais portugueses (80,4% dos quais em hospitais tutelados pelo Estado) e perto de 10,2 milhões de dias de internamento (73,2% dos quais em hospitais oficiais)". 

"Nos hospitais oficiais, cerca de 95% dos internamentos de 2013 foram em enfermarias (com especial relevo nas especialidades de medicina interna, cirurgia geral e ginecologia-obstetrícia) e registou-se uma duração média de internamento de oito dias". 

O período de internamento mais longo ocorreu em psiquiatria, com uma média de 25,3 dias por internamento.

Nos hospitais privados, a maior parte dos internamentos foi feita em quartos semiprivados ou privados (61%). Em média, os doentes ficaram internados 12 dias. 

O INE refere ainda que, em 2012, existiam em Portugal 387 centros de saúde, dos quais 94 com Serviço de Urgência Básica (SUB) ou Serviço de Atendimento Permanente ou Prolongado (SAP) e 17 com internamento.

"O número de centros de saúde manteve-se relativamente estável entre 2002 e 2012, todavia com um decréscimo acentuado no número de centros de saúde com SUB ou SAP e com internamento. Em 2002, cerca de 70% dos centros de saúde dispunha de SUB ou SAP e perto de 20% tinha internamento, enquanto em 2012 as percentagens de centros de saúde com estas valências foram respetivamente de 24% e menos de 5%", lê-se na informação.
Lusa
  • Mais 30 camas de cuidados continuados em Lisboa

    País

    A Administração Regional de Saúde de Lisboa disponibilizou 30 camas de Cuidados Continuados Integrados, perfazendo um total de 1.662 na região, uma medida que irá contribuir para a libertação de camas necessárias nos hospitais.

  • ARS Norte garante ajustamentos para responder às necessidades
    0:22

    País

    A Administração Regional de Saúde do Norte admite a maior procura nas urgências dos vários hospitais da região, mas diz que têm sido feitos ajustamentos para responder às necessidades.O caso de Santa Maria da Feira é o mais preocupante mas já estão a ser libertadas camas noutras unidades de saúde como explicou Castanheira Nunes, presidente da ARS Norte.

  • ARS de Lisboa confirma que hospitais estão a chegar ao limite
    1:55

    País

    O presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa diz que os hospitais chegaram praticamente ao limite. De acordo com Luís Cunha Ribeiro, o grande problema passa pelos internamentos e não pelas urgências, que aumentaram apenas 5%. O responsável garante que já estão em marcha medidas para transferir doentes e libertar mais camas para as unidades mais deficitárias.

  • Governo quer encaminhar para lares idosos que vivem nos hospitais
    1:16

    País

    Há idosos abandonados em camas de hospitais públicos por não terem suporte familiar ou vaga em lares. No início do ano, o Ministério da Saúde tinha referenciados 200 idosos que permaneciam em hospitais apesar de terem recebido alta clínica. O Governo e as instituições sociais estão a criar condições para que sejam todos encaminhados para lares.

  • Marinha e Exército dão luz verde ao Aeroporto do Montijo

    País

    De acordo com a edição deste domingo do Diário de Notícias, o Exército e a Marinha já comunicaram à Força Aérea disponibilidade para desocupar parcialmente a base aérea e o Montijo se transformar num num aeroporto complementar ao de Lisboa.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.