sicnot

Perfil

País

Quatro guardas prisionais agredidos por recluso na prisão de Paços de Ferreira

Quatro guardas prisionais da prisão de Paços de Ferreira foram esta terça-feira de manhã agredidos "de forma intempestiva" por um recluso, tendo ido ao hospital apenas por precaução, confirmou à Lusa a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais.

Paços de Ferreira

Paços de Ferreira

Google Maps

O presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional, Jorge Alves, tinha explicado à agência Lusa que o incidente ocorreu hoje de manhã, no refeitório do estabelecimento prisional, tendo sido originado pela ordem dada pelos guardas para que o recluso retirasse o turbante da cabeça.

Em resposta por escrito, a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais "informa que esta manhã um recluso do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira, de forma intempestiva, agrediu quatro elementos do Corpo da Guarda Prisional", tendo estes se deslocado "por precaução, ao hospital para serem avaliados", após o que regressaram à prisão.

"Em conformidade com o legalmente previsto neste tipo de ocorrências foi instaurado o competente processo disciplinar e feita comunicação ao Ministério Público", conclui.

Segundo Jorge Alves, um dos elementos do Corpo da Guarda Prisional, no cumprimento dos regulamentos da prisão, mandou o recluso - de nacionalidade marroquina - retirar o turbante que trazia na cabeça, o que gerou uma situação de conflito "e na tentativa de imobilização do recluso os guardas acabaram por se magoar".

O presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional disse ainda que os ferimentos foram ligeiros.
Lusa
  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".