sicnot

Perfil

País

TAP cancelou oito voos devido a greve dos controladores aéreos em França

A TAP cancelou hoje oito voos previstos para quarta e quinta-feira de Lisboa e Porto para França, e de regresso, devido à greve dos controladores aéreos anunciada pela Direção-Geral da Aviação Civil (DGAC) francesa.

© Hugo Correia / Reuters

De acordo com um comunicado da TAP divulgado na página do facebook da empresa, pelo menos oito voos foram cancelados, sete deles previstos para quarta-feira.

As ligações afetadas estavam previstas entre os aeroportos de Lisboa e do Porto para Orly, e de Lisboa para Lyon, ou de regresso. 

Para quinta-feira também foi cancelado um voo da TAP que faria a ligação entre Orly e Lisboa.

A TAP também avisa que a greve - que a DGAC estima que poderá levar ao cancelamento de cerca de 40 por cento dos voos em França na quarta-feira - poderá levar a atrasos noutros voos na Europa.

Contactado pela agência Lusa, o porta-voz da ANA - Aeroportos de Portugal, Rui Oliveira, aconselha os passageiros a "contactar as companhias aéreas para obter a confirmação do voo", ou "consultar as indicações que são colocadas online sobre cancelamentos".

No entanto, segundo o comunicado divulgado hoje pela DGAC, os serviços mínimos poderão permitir que seja assegurado pelo menos 50% do tráfego em França.

O SNCTA, o principal sindicato do setor, apelou a paralisações de 08 a 09 de abril, de 16 a 18 de abril e de 29 de abril a 02 de maio e exige negociações sobre a organização do trabalho e o recuo para os 59 anos da idade limite para a reforma.



Lusa

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC

  • Aberta nova frente de guerra no Iraque
    1:20

    Mundo

    Uma nova frente de guerra no Iraque está aberta. O exército de Bagdade combate as forças curdas e luta pelo controlo da província petrolífera de Kirkuk. Na origem da ofensiva está o referendo não reconhecido à independência do Curdistão.