sicnot

Perfil

País

Fuzileiros portugueses e "marines" dos EUA em exercício conjunto para missões em África

Um companhia de fuzileiros da Marinha e 60 'marines' norte-americanos participam ao longo desta semana num exercício de treino em Tróia para missões no continente africano, com combate em áreas edificadas e manobras com tiro real.

"Cerca de 60 'marines' e marinheiros norte-americanos irão participar neste exercício, que é altamente valorizado pois identifica a logística necessária para concluir potenciais missões em África, bem como a comunicação, planeamento e ensaios detalhados que essas mesmas missões precisam", refere em comunicado a embaixada dos Estados Unidos. (Arquivo)

"Cerca de 60 'marines' e marinheiros norte-americanos irão participar neste exercício, que é altamente valorizado pois identifica a logística necessária para concluir potenciais missões em África, bem como a comunicação, planeamento e ensaios detalhados que essas mesmas missões precisam", refere em comunicado a embaixada dos Estados Unidos. (Arquivo)

© Kim Hong-Ji / Reuters

"Cerca de 60 'marines' e marinheiros norte-americanos irão participar neste exercício, que é altamente valorizado pois identifica a logística necessária para concluir potenciais missões em África, bem como a comunicação, planeamento e ensaios detalhados que essas mesmas missões precisam", refere em comunicado a embaixada dos Estados Unidos.

Na sexta-feira, dia do exercício aberto à imprensa, estes militares norte-americanos que fazem parte da Força de Intervenção Especial de Fuzileiros Aeroterrestres de resposta a crises, que atua especialmente em África e no Médio Oriente, irão participar com os militares portugueses num 'raid' aéreo numa área edificada.

Nesta demonstração no campo de tiro de Alcochete está prevista a presença do chefe do Estado-Maior da Armada, Macieira Fragoso, e do embaixador dos Estados Unidos em Lisboa, Robert Sherman.
Lusa
  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.