sicnot

Perfil

País

Fuzileiros portugueses e "marines" dos EUA em exercício conjunto para missões em África

Um companhia de fuzileiros da Marinha e 60 'marines' norte-americanos participam ao longo desta semana num exercício de treino em Tróia para missões no continente africano, com combate em áreas edificadas e manobras com tiro real.

"Cerca de 60 'marines' e marinheiros norte-americanos irão participar neste exercício, que é altamente valorizado pois identifica a logística necessária para concluir potenciais missões em África, bem como a comunicação, planeamento e ensaios detalhados que essas mesmas missões precisam", refere em comunicado a embaixada dos Estados Unidos. (Arquivo)

"Cerca de 60 'marines' e marinheiros norte-americanos irão participar neste exercício, que é altamente valorizado pois identifica a logística necessária para concluir potenciais missões em África, bem como a comunicação, planeamento e ensaios detalhados que essas mesmas missões precisam", refere em comunicado a embaixada dos Estados Unidos. (Arquivo)

© Kim Hong-Ji / Reuters

"Cerca de 60 'marines' e marinheiros norte-americanos irão participar neste exercício, que é altamente valorizado pois identifica a logística necessária para concluir potenciais missões em África, bem como a comunicação, planeamento e ensaios detalhados que essas mesmas missões precisam", refere em comunicado a embaixada dos Estados Unidos.

Na sexta-feira, dia do exercício aberto à imprensa, estes militares norte-americanos que fazem parte da Força de Intervenção Especial de Fuzileiros Aeroterrestres de resposta a crises, que atua especialmente em África e no Médio Oriente, irão participar com os militares portugueses num 'raid' aéreo numa área edificada.

Nesta demonstração no campo de tiro de Alcochete está prevista a presença do chefe do Estado-Maior da Armada, Macieira Fragoso, e do embaixador dos Estados Unidos em Lisboa, Robert Sherman.
Lusa
  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite