sicnot

Perfil

País

João Jardim diz que Marítimo o ajudou "a governar a Madeira"

O presidente cessante do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, disse esta quinta-feira que o Marítimo o ajudou "a governar a Madeira" durante uma receção aos dirigentes e jogadores do clube, que serviu de despedida e agradecimento.

(Arquivo)

(Arquivo)

Joana Sousa/ AP

Na Quinta Vigia, o Marítimo teve uma presença marcante na residência oficial de Jardim, governante madeirense que deixa o cargo a 20 de abril, com uma delegação composta pelos dirigentes da SAD e do clube, bem como 'staff' técnico da equipa de futebol, liderado pelo madeirense Ivo Vieira.

"Tenho muito orgulho no Marítimo e estarei sempre ao dispor do clube. Agradeço as alegrias que me deram e confesso até que o Marítimo ajudou-me a governar a Madeira", adiantou Alberto João Jardim, que governou a Madeira nos últimos 36 anos.

Ao presidente do clube, Carlos Pereira, o governante madeirense agradeceu por tudo aquilo que tem feito no Marítimo: "Foi através do seu conhecimento, que encaminhou o clube para o sucesso", destacou.

O presidente do Marítimo, por sua vez, afirmou que Jardim "vai ter sempre um lugar na história da Madeira e do clube", considerando ainda que, sem ele, "o desporto na Madeira, não teria o nível qualitativo que tem".
Lusa
  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.