sicnot

Perfil

País

8% dos adolescentes sofre de depressão, revela estudo

Uma investigação internacional desenvolvida em Coimbra concluiu que 8% dos adolescentes portugueses apresentam sintomatologia depressiva e que 19% estão em risco de desenvolver depressão.

© Yuriko Nakao / Reuters

Um estudo realizado por investigadores da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra (UC), University of Emory (EUA), Maxplanck Institute (Alemanha) e University of Iceland (Islândia) revela que "uma percentagem significativa de adolescentes portugueses apresenta sintomatologia depressiva (8%) ou está em risco de desenvolver depressão (19%)", anunciou a UC, numa nota hoje divulgada.

A investigação, visando "traçar o perfil de risco psicológico e genético para a depressão na adolescência" e "testar a eficácia de um Programa de Prevenção da Depressão para Adolescentes", conclui ainda que a tendência para depressão na adolescência é maior nas raparigas.

"Características temperamentais de emocionalidade negativa (tristeza, timidez, agressão, medo, etc.), estratégias de regulação emocional menos eficazes, maior número de acontecimentos de vida negativos na escola, com os amigos e com a família, bem como experiências de abuso e negligência e fraco desempenho escolar são fatores que deixam os adolescentes mais vulneráveis à depressão", adianta a mesma investigação.

A pesquisa envolveu uma amostra comunitária de 3.300 adolescentes, a frequentarem o 8.º e o 9.º ano de escolaridade e com uma idade média de 14 anos.

"Numa amostra de 290 adolescentes em risco, foram estudadas a eficácia de um Programa de Prevenção da Depressão para Adolescentes (PPDA), uma adaptação do programa Mind and Health" e de um programa inovador criado na UC -- Programa Parental para a Prevenção da Depressão na Adolescência (3PDA) para os pais e/ou encarregados de educação dos jovens em risco que participam no PPDA.

Os resultados mostram que "relativamente ao programa efetuado com os adolescentes em risco, para prevenir a depressão, os jovens do grupo experimental descem significativamente os níveis de sintomatologia depressiva com a intervenção e depois mantêm a mudança", afirma Ana Paula Matos, responsável do projeto e membro do Centro de Investigação do Núcleo de Estudos e Intervenção Cognitivo-Comportamental da UC.

Não se passa o mesmo com "o grupo de controlo (grupo sem intervenção)", salienta a investigadora.

Quando os pais participam no programa "os valores de sintomatologia depressiva dos filhos descem significativamente após a intervenção, sendo estes jovens os que também apresentam os valores médios mais baixos de sintomatologia depressiva após seis meses de seguimento, comparativamente com os adolescentes cujos pais não participam no programa", sublinha Ana Paula Matos.

Estes resultados vão ter "um impacto de grande relevo nos conhecimentos sobre a depressão nos jovens e a forma de a prevenir e tratar", sustenta Ana Paula Matos, salientando que "a depressão é uma das doenças mais prevalentes nas crianças e adolescentes, comprometendo o funcionamento emocional, académico e relacional".

As conclusões do estudo vão ser apresentadas e discutidas no congresso internacional "SaudávelMente", a decorrer na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da UC, na terça-feira e na quarta-feira. 

Iniciada em 2008, a investigação, que foi financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, identificou igualmente algumas variáveis parentais que contribuem para a depressão nos filhos.


Lusa
  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.