sicnot

Perfil

País

GNR fica sem sistema automático de identificação de impressões digitais

A GNR encerrou este ano os quatro locais onde era feita a identificação de impressões digitais de suspeitos de crimes através de um sistema automático, por falta de manutenção, revelou a Associação Nacional de Sargentos da Guarda (ANSG).

© Goran Tomasevic / Reuters

Para a associação que representa os sargentos da GNR, o encerramento das estações de Aveiro, Castelo Branco, Lisboa e Santarém, onde funcionava o AFIS (sistema automático de identificação de impressões digitais), vai "atrasar todo o processo de investigação criminal", permitindo que muitos criminosos fiquem por identificar em tempo útil do julgamento.  

Em funcionamento desde 2012 na GNR, o AFIS permite em poucos minutos identificar um suspeito através da introdução das impressões digitais, copiadas do local do crime, num computador. 

O presidente da ANSG, José Lopes, adiantou à agência Lusa que a Guarda Nacional Republicana foi "forçada a desligar" as quatro estações AFIS, estruturas da responsabilidade da corporação, devido "à falta de contrato de manutenção".

Segundo José Lopes, as estações AFIS, onde estão os terminais que fazem a ligação à base de dados nacionais de impressões digitais, têm vindo a ser desligadas desde o início do ano por falta de manutenção, tendo sido a de Santarém a última a ser encerrada, em março.

O presidente da ANSG considerou também que esta situação vai "colocar em causa não só a comparação lofoscópica das impressões recolhidos nos locais dos crimes, como consequentemente impossibilidade de identificação e detenção dos seus autores".

Segundo José Lopes, os militares da GNR da investigação criminal vão ter agora que enviar para o Laboratório da Polícia Científica (LPC) da Polícia Judiciária, onde está centralizada a base de dados, os vestígios lofoscópicos de suspeitos, recolhidos em locais de crimes, o que vai atrasar todo o processo. 

De acordo com a ANSG, as quatro estações AFIS foram adquiridas pela GNR em 2012, num investimento que rondou o meio milhão de euros, incluindo a formação dos polícias e aquisição dos terminais.

O projeto AFIS resultou de um acordo entre a PJ, PSP e GNR.

A PSP tem quatro estações AFIS: Unidade Especial de Polícia, Comandos de Lisboa, Porto e Setúbal.

O Comando-Geral da GNR foi contactado  para obter esclarecimentos sobre os motivos do encerramento das estruturas em Aveiro, Castelo Branco, Lisboa e Santarém, mas até ao momento não obteve qualquer resposta.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.