sicnot

Perfil

País

GNR fica sem sistema automático de identificação de impressões digitais

A GNR encerrou este ano os quatro locais onde era feita a identificação de impressões digitais de suspeitos de crimes através de um sistema automático, por falta de manutenção, revelou a Associação Nacional de Sargentos da Guarda (ANSG).

© Goran Tomasevic / Reuters

Para a associação que representa os sargentos da GNR, o encerramento das estações de Aveiro, Castelo Branco, Lisboa e Santarém, onde funcionava o AFIS (sistema automático de identificação de impressões digitais), vai "atrasar todo o processo de investigação criminal", permitindo que muitos criminosos fiquem por identificar em tempo útil do julgamento.  

Em funcionamento desde 2012 na GNR, o AFIS permite em poucos minutos identificar um suspeito através da introdução das impressões digitais, copiadas do local do crime, num computador. 

O presidente da ANSG, José Lopes, adiantou à agência Lusa que a Guarda Nacional Republicana foi "forçada a desligar" as quatro estações AFIS, estruturas da responsabilidade da corporação, devido "à falta de contrato de manutenção".

Segundo José Lopes, as estações AFIS, onde estão os terminais que fazem a ligação à base de dados nacionais de impressões digitais, têm vindo a ser desligadas desde o início do ano por falta de manutenção, tendo sido a de Santarém a última a ser encerrada, em março.

O presidente da ANSG considerou também que esta situação vai "colocar em causa não só a comparação lofoscópica das impressões recolhidos nos locais dos crimes, como consequentemente impossibilidade de identificação e detenção dos seus autores".

Segundo José Lopes, os militares da GNR da investigação criminal vão ter agora que enviar para o Laboratório da Polícia Científica (LPC) da Polícia Judiciária, onde está centralizada a base de dados, os vestígios lofoscópicos de suspeitos, recolhidos em locais de crimes, o que vai atrasar todo o processo. 

De acordo com a ANSG, as quatro estações AFIS foram adquiridas pela GNR em 2012, num investimento que rondou o meio milhão de euros, incluindo a formação dos polícias e aquisição dos terminais.

O projeto AFIS resultou de um acordo entre a PJ, PSP e GNR.

A PSP tem quatro estações AFIS: Unidade Especial de Polícia, Comandos de Lisboa, Porto e Setúbal.

O Comando-Geral da GNR foi contactado  para obter esclarecimentos sobre os motivos do encerramento das estruturas em Aveiro, Castelo Branco, Lisboa e Santarém, mas até ao momento não obteve qualquer resposta.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41