sicnot

Perfil

País

Trabalhadores da Axa Portugal protestaram em Lisboa contra despedimento coletivo

Um grupo de trabalhadores da Axa Portugal participou esta sexta-feira numa concentração em frente às instalações da empresa, em Lisboa, para contestar o processo de despedimento coletivo que afeta 67 funcionários e que os sindicatos consideram ilegal. 

A ação de protesto que decorreu junto à sede da Axa Portugal reuniu cerca de 20 pessoas, um número baixo que é justificado pelo sindicalista com o facto de os afetados pelo processo de despedimento coletivo serem oriundos de várias cidades portuguesas, de norte a sul do país, o que dificultou a sua participação na concentração convocada pelo SINAPSA.

A ação de protesto que decorreu junto à sede da Axa Portugal reuniu cerca de 20 pessoas, um número baixo que é justificado pelo sindicalista com o facto de os afetados pelo processo de despedimento coletivo serem oriundos de várias cidades portuguesas, de norte a sul do país, o que dificultou a sua participação na concentração convocada pelo SINAPSA.

Lusa

"Estamos aqui em protesto por considerarmos que o despedimento é ilegal, porque a empresa não procedeu aos requisitos legais. A empresa diz que quer negociar com os trabalhadores, mas primeiro avançou com o despedimento coletivo", afirmou à agência Lusa José Manuel Jorge, dirigente do Sindicato Nacional dos Profissionais de Seguros e Afins (SINAPSA).

A ação de protesto que decorreu junto à sede da Axa Portugal reuniu cerca de 20 pessoas, um número baixo que é justificado pelo sindicalista com o facto de os afetados pelo processo de despedimento coletivo serem oriundos de várias cidades portuguesas, de norte a sul do país, o que dificultou a sua participação na concentração convocada pelo SINAPSA.

"Só para se ver as intenções da entidade patronal, quer aqui, quer no Porto, onde está também a decorrer uma concentração a esta hora [pelas 17:00], a empresa pediu aos trabalhadores para saírem às 16:00 que era para não serem envolvidos e não se poderem concentrar com o sindicato à porta da empresa", afirmou José Manuel Jorge.

Segundo o responsável, esta iniciativa da administração "não fica bem e só demonstra que a empresa está receosa da ilegalidade que está a cometer".

José Manuel Jorge disse que o sentimento entre os trabalhadores visados por este processo, que têm idades entre os 43 e os 63 anos, é de "grande fragilização e de grande medo".

E reforçou: "Basta pensar o que é um trabalhador receber uma carta da empresa a dizer que está dispensado de comparecer no posto de trabalho. O trabalhador fica sem hipótese nenhuma, vai aceitar aquilo que a empresa lhe der".

O SINAPSA apela aos trabalhadores para que "resistam e não assinem nada", porque considera que o processo [de despedimento coletivo] vai ser considerado ilegal, já que viola completamente a lei.

"Dizemos aos trabalhadores para que não desistam e não se deixem intimidar perante esta ação. Podem contar com todo o apoio do sindicato", vincou.
Lusa
  • Dirigentes do GD Ribeirão acusados de auxílio à emigração ilegal
    1:34

    Desporto

    Oito dirigentes do Grupo Desportivo de Ribeirão, um clube de Vila Nova de Famalicão que fechou as portas em 2015, foram acusados pelo Ministério Público.Em causa, estão suspeitas de auxílio à emigração ilegal ou falsificação de documentos, relacionadas com transferências de jogadores estrangeiros em situação ilegal.

  • Capacetes Brancos agradecem Óscar para filme sobre a guerra na Síria
    1:34

    Óscares 2017

    O Óscar para melhor documentário curto foi atribuído a um filme sobre a guerra na Síria. "The White Helmets" retrata o trabalho dos Capacetes Brancos, uma equipa de voluntários que ajuda no salvamento e resgate de habitantes sírios atingidos pelo conflito no país. O Fundador dos Capacetes Brancos já veio fazer um agradecimento público pela atribuição deste galardão. Raed Saleh diz que é uma motivação para os voluntários que todos os dias arriscam a vida para salvar outras pessoas.

  • O primeiro eclipse solar do ano
    0:57
  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16