sicnot

Perfil

País

Trabalhadores da Axa Portugal protestaram em Lisboa contra despedimento coletivo

Um grupo de trabalhadores da Axa Portugal participou esta sexta-feira numa concentração em frente às instalações da empresa, em Lisboa, para contestar o processo de despedimento coletivo que afeta 67 funcionários e que os sindicatos consideram ilegal. 

A ação de protesto que decorreu junto à sede da Axa Portugal reuniu cerca de 20 pessoas, um número baixo que é justificado pelo sindicalista com o facto de os afetados pelo processo de despedimento coletivo serem oriundos de várias cidades portuguesas, de norte a sul do país, o que dificultou a sua participação na concentração convocada pelo SINAPSA.

A ação de protesto que decorreu junto à sede da Axa Portugal reuniu cerca de 20 pessoas, um número baixo que é justificado pelo sindicalista com o facto de os afetados pelo processo de despedimento coletivo serem oriundos de várias cidades portuguesas, de norte a sul do país, o que dificultou a sua participação na concentração convocada pelo SINAPSA.

Lusa

"Estamos aqui em protesto por considerarmos que o despedimento é ilegal, porque a empresa não procedeu aos requisitos legais. A empresa diz que quer negociar com os trabalhadores, mas primeiro avançou com o despedimento coletivo", afirmou à agência Lusa José Manuel Jorge, dirigente do Sindicato Nacional dos Profissionais de Seguros e Afins (SINAPSA).

A ação de protesto que decorreu junto à sede da Axa Portugal reuniu cerca de 20 pessoas, um número baixo que é justificado pelo sindicalista com o facto de os afetados pelo processo de despedimento coletivo serem oriundos de várias cidades portuguesas, de norte a sul do país, o que dificultou a sua participação na concentração convocada pelo SINAPSA.

"Só para se ver as intenções da entidade patronal, quer aqui, quer no Porto, onde está também a decorrer uma concentração a esta hora [pelas 17:00], a empresa pediu aos trabalhadores para saírem às 16:00 que era para não serem envolvidos e não se poderem concentrar com o sindicato à porta da empresa", afirmou José Manuel Jorge.

Segundo o responsável, esta iniciativa da administração "não fica bem e só demonstra que a empresa está receosa da ilegalidade que está a cometer".

José Manuel Jorge disse que o sentimento entre os trabalhadores visados por este processo, que têm idades entre os 43 e os 63 anos, é de "grande fragilização e de grande medo".

E reforçou: "Basta pensar o que é um trabalhador receber uma carta da empresa a dizer que está dispensado de comparecer no posto de trabalho. O trabalhador fica sem hipótese nenhuma, vai aceitar aquilo que a empresa lhe der".

O SINAPSA apela aos trabalhadores para que "resistam e não assinem nada", porque considera que o processo [de despedimento coletivo] vai ser considerado ilegal, já que viola completamente a lei.

"Dizemos aos trabalhadores para que não desistam e não se deixem intimidar perante esta ação. Podem contar com todo o apoio do sindicato", vincou.
Lusa
  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59