sicnot

Perfil

País

Presidenciais de 2016 ameaçam recorde de candidatos de 1986

As eleições presidenciais que se realizam em Portugal no início de 2016 podem ultrapassar, em número de candidaturas, o recorde de oito candidatos a Belém verificado em 1986.

Nos últimos meses, são já mais de uma dezena os nomes falados como possíveis candidatos para suceder a Cavaco Silva (Lusa/ Arquivo)

Nos últimos meses, são já mais de uma dezena os nomes falados como possíveis candidatos para suceder a Cavaco Silva (Lusa/ Arquivo)

LUSA

As presidenciais de 1986 foram as mais concorridas da história da democracia portuguesa: este sufrágio registou o maior número de candidatos nos boletins de voto e foi a única vez que houve segunda volta, entre Freitas do Amaral e Mário Soares.

Trinta anos depois, e nos últimos meses, são já mais de uma dezena os nomes falados como 'presidenciáveis'.

Até agora, apenas o empresário e ex-deputado do PS Henrique Neto apresentou formalmente, no Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, a sua candidatura à Presidência da República, sem o apoio de partidos ou notáveis. 

Na próxima semana, será a vez do antigo vice-presidente da Câmara do Porto Paulo Morais apresentar a candidatura e linhas programáticas, na cidade invicta. 

O semanário Expresso avançou a 03 de abril que o ex-reitor da Universidade de Lisboa António Sampaio da Nóvoa irá avançar com uma candidatura presidencial e com o apoio do histórico socialista Mário Soares. Um dia depois, em entrevista ao Jornal de Notícias, Sampaio da Nóvoa prometeu que clarificaria a sua posição até final de abril.

A possibilidade da candidatura de Sampaio da Nóvoa ter o apoio oficial do PS suscitou controvérsia dentro do partido, com alguns socialistas a manifestarem a sua oposição e outros defenderem antes uma candidatura do ex-presidente da Assembleia da República Jaime Gama. 

Na última sexta-feira, aquele que chegou a ser considerado consensual para os socialistas -- o ex-primeiro-ministro António Guterres - afastou publicamente essa hipótese dizendo que não é "candidato a candidato".

Ainda na área do PS, outros nomes falados, sem que os próprios se tenham excluído, foram os de António Vitorino e de Maria de Belém.

Mais à esquerda, do lado do PCP, os comunistas deverão apresentar um candidato presidencial próprio, ainda não tornado público. 

O ex-secretário-geral da CGTP Carvalho da Silva já manifestou disponibilidade para avançar com uma candidatura presidencial.

No centro-direita, ainda não há qualquer candidato assumido, embora os nomes mais falados sejam há muito os do ex-líder do PSD Marcelo Rebelo de Sousa -- que aponta outubro como o 'timing' para os candidatos aparecerem -, o ex-presidente da Câmara Municipal do Porto Rui Rio e o ex-primeiro-ministro Pedro Santana Lopes.

Na votação de 1986, que elegeu Mário Soares como chefe de Estado, constavam as únicas mulheres que até hoje concorreram a Belém, Carmelinda Pereira e Maria de Lurdes Pintasilgo.

Os restantes candidatos à Presidência da República foram Freitas do Amaral, Francisco Salgado Zenha, Ângelo Mendes Veloso, Luís Carlos Franco e Álvaro Ricardo Nunes.

A corrida a Belém de 1980 foi a segunda com mais candidatos. Eram sete os pretendentes à Presidência da República: António Soares Carneiro, António Pires Veloso, Otelo Saraiva de Carvalho, Carlos Galvão de Melo, Carlos Alfredo de Brito, António Aires Rodrigues e Ramalho Eanes, o vencedor.

Mas a história das eleições contou também com anos em que os candidatos andavam à volta de uma dezena, mas nem todas as candidaturas acabaram por ser aprovadas pelo Tribunal Constitucional (TC).

As eleições de 2001 e 2011 tiveram nove candidatos, porém, após uma verificação de candidaturas, o TC admitiu apenas cinco nomes nos boletins de voto em 2001 e seis em 2011, segundo os dados da Comissão Nacional de Eleições.

No sufrágio de 2001, os candidatos foram Garcia Pereira, Joaquim Ferreira do Amaral, Fernando Rosas, António Abreu e Jorge Sampaio. 

Os cinco candidatos às últimas presidenciais, em 2011, foram Cavaco Silva, Defensor de Moura, Francisco Almeida Lopes, José Manuel Coelho, Manuel Alegre e Fernando Nobre.

Em 2006, eram 13 os candidatos, entre os quais três mulheres (Maria Teresa Lemos Lameiro, Carmelinda Pereira e Maria Sousa Magno), mas apenas seis chegaram à votação e todos homens: Garcia Pereira, Francisco Louçã, Manuel Alegre, Jerónimo de Sousa, Mário Soares e o atual Presidente da República Cavaco Silva.

Foi em 1991, quando Mário Soares venceu o segundo mandato, e em 1996, na primeira vitória presidencial de Jorge Sampaio, que apenas quatro pessoas se candidataram às presidenciais.

Em 1991 os candidatos eram Basílio Horta, Mário Soares, Carlos Carvalhas e Carlos Marques da Silva, enquanto em 1996, candidataram-se Jerónimo de Sousa, Alberto Cunha Matos, Cavaco Silva e Jorge Sampaio.

Nas primeiras eleições presidenciais, em 1976, eram cinco os candidatos: Pinheiro de Azevedo, Octávio Pato, Venceslau da Cruz, Otelo Saraiva de Carvalho e o primeiro Presidente da República após o 25 de Abril de 1974, Ramalho Eanes.



Lusa

  • Jerónimo não percebe "nervosismo" em torno das presidenciais
    1:03

    País

    O Secretário-Geral do PCP lembra que ainda há eleições legislativas antes das presidenciais, razão pela qual não percebe todo o nervosismo em volta dos potenciais candidatos. Jerónimo de Sousa garante, que quando for a altura certa, o PCP vai apontar a Belém alguém capaz de cumprir a constituição da república portuguesa.

  • Guterres fora da corrida a Belém, esquerda sem o candidato mais desejado
    2:01

    País

    António Guterres está fora da corrida às presidenciais, deixando a esquerda sem o possível candidato mais desejado. Esta decisão vem dar mais força à candidatura à esquerda de Sampaio da Nóvoa. Segundo o jornal Expresso, o candidato foi empurrado por António Costa para as presidenciais sem o conhecimento da direcção do PS. O ex-líder do PSD, Marcelo Rebelo de Sousa, considera “não” de Guterres uma perda para o país.

  • Santana Lopes diz "sonhar" com vários candidatos à direita, incluindo Paulo Portas
    0:37

    País

    Pedro Santana Lopes afirma que gostava de ver uma candidatura de Paulo Portas à presidência da república, caso a coligação PSD/CDS saia derrotada das próximas legislativas. Em entrevista ao Diário de Notícias, o atual provedor da Santa Casa da Misericórdia volta a adiar para depois de outubro qualquer anúncio sobre uma eventual candidatura própria a Belém. Em relação à de Marcelo Rebelo de Sousa, Santana Lopes prefere não revelar se votaria ou não no professor.

  • Sampaio da Nóvoa na corrida a Belém
    1:38

    País

    António Sampaio da Nóvoa prepara-se para entrar na corrida a Belém. O semanário Expresso adianta que a candidatura deve ser apresentada nas próximas semanas e conta já com o apoio de Mário Soares.

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.