sicnot

Perfil

País

"Não vou falar de eleições, há poeira a mais no ar", diz Rui Rio

O social-democrata Rui Rio, que garante não ser um D. Sebastião, escusou-se a falar de eleições porque "há poeira a mais no ar", esperando que o próximo Presidente da República reúna consensos para reformar o regime.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

JOSE COELHO

O antigo presidente da Câmara do Porto foi um dos convidados que segunda-feira à noite participou nas "Conversas de Abril", ciclo de colóquios promovido pela Câmara de Gondomar, e à chegada foi questionado pelos jornalistas sobre uma eventual candidatura à Presidência da República, sendo Rui Rio um dos nomes falados no centro-direita, ainda sem qualquer candidato assumido, juntamente com o ex-líder do PSD Marcelo Rebelo de Sousa e o antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes.

"Não vou falar de eleições, há poeira a mais no ar. Conhecem-me já há muitos anos e não entro nessa poeira. Sim, se assentar a poeira depois vê-se. Há muita conversa, muita coisa", respondeu.

Perante a insistência dos jornalistas, o antigo presidente da Câmara do Porto garantiu que não iria falar sobre as próximas eleições - legislativas ou presidenciais - "de certeza absoluta".

Já dentro do auditório onde decorreu a conferência, Rui Rio não se livrou do tema das eleições e de qual o papel que poderá assumir no panorama nacional e, quer do moderador, quer do público, surgiram diversas e diferentes perguntas sobre o seu futuro político, questão que nunca esclareceu.

O social-democrata disse que gostaria que o próximo Presidente da República "se dedicasse bastante a reunir e fomentar esses consensos no sentido da reforma do regime", considerando que esta atuação terá que ser "sóbria e recatada", uma vez que o chefe de Estado "tem que interferir pouco, bem e certo" e fora dos holofotes.

Na sequência de uma sugestão que partiu de um elemento do público - que Rio seria muito mais útil como primeiro-ministro do que como Presidente da República -, o antigo autarca da Câmara do Porto foi perentório: "Eu não sou nenhum D. Sebastião. Não sou dono das soluções".

Rui Rio recordou ainda que, ao longo da vida partidária, sempre criticou aqueles que "estavam permanentemente a tentar deitar abaixo o líder do partido", condenando quem "destabilizava a vida do partido" e reiterou uma ideia que já defendeu, de que quando o partido tem um líder que é primeiro-ministro, "compete-lhe a ele a decisão de se recandidatar ou não".

"Quando as pessoas têm uma exposição muito grande é que podem ficar desgastadas", comentou Rio
  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.