sicnot

Perfil

País

Doenças autoimunes ainda não são diagnosticadas precocemente, segundo especialista

A médica internista Lèlita Santos disse esta quarta-feira em Coimbra que as doenças autoimunes ainda não são diagnosticadas precocemente, sendo necessário um trabalho de proximidade entre médicos especialistas e médicos de medicina geral e familiar.

A maior parte do diagnóstico "ainda não é precoce", disse à agência Lusa Lèlita Santos, do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, frisando que o tratamento e o diagnóstico são os dois grandes desafios nas doenças autoimunes, para além da necessidade de se conhecer as suas causas. (Arquivo)

A maior parte do diagnóstico "ainda não é precoce", disse à agência Lusa Lèlita Santos, do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, frisando que o tratamento e o diagnóstico são os dois grandes desafios nas doenças autoimunes, para além da necessidade de se conhecer as suas causas. (Arquivo)

Francisco Seco / AP

A maior parte do diagnóstico "ainda não é precoce", disse à agência Lusa Lèlita Santos, do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, frisando que o tratamento e o diagnóstico são os dois grandes desafios nas doenças autoimunes, para além da necessidade de se conhecer as suas causas. 

Hoje, "fazem-se mais diagnósticos" destas doenças que há dez ou doze anos, mas ainda não é um diagnóstico precoce, sendo necessária uma "ligação da medicina interna com os médicos de medicina geral e familiar", visto estas doenças não serem "frequentes", frisou a também presidente da comissão organizadora do 4.º Congresso Nacional de Autoimunidade, que vai decorrer em Coimbra, entre quinta-feira e sábado. 

"O diagnóstico precoce vai-nos permitir tratar cedo o doente e evitar as complicações nos órgãos", sublinhou Lèlita Santos, sendo depois necessária uma equipa "multidisciplinar para tratar estas doenças" e não apenas médicos de uma ou outra especialidade. 

Segundo a médica internista, as pessoas que sofrem destas doenças "enfrentam alguns problemas".

Sendo pessoas jovens, "acabam por ter uma ou outra incapacidade, podendo ter problemas de relacionamento familiar ou social ou problemas económicos", referiu, sublinhando ainda que nem todas as doenças têm isenção de taxas moderadoras.

"Algumas têm parcelarmente, outras não têm e algumas têm descontos ou a possibilidade de medicamentos mais baratos", sendo necessária a isenção de taxas moderadoras para pessoas com doenças autoimunes, defendeu.

O 4.º Congresso Nacional de Autoimunidade vai abordar, ao longo de três dias, temas como o transplante hematopoiético nas doenças autoimunes, doenças indiferenciadas do tecido conjuntivo, gravidez e doenças autoimunes, ou competência e formação em doenças autoimunes.
Lusa
  • Cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se em Lisboa
    3:55

    Economia

    Perto de cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se esta sexta-feira, em Lisboa. Os números são avançados pelos sindicatos. Os trabalhadores contestam a transferência de funcionários para empresas parceiras da Altice e outras empresas do grupo, sem as mesmas garantias e direitos. A Altice garante que as transferências são legais mas alguns funcionários já levaram o caso a tribunal.

  • Uma viagem aérea pela Lagoa Negra
    1:02
  • Videovigilância regista impacto de sismo na Grécia

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6.7 atingiu na quinta-feira o mar Egeu e causou pelo menos dois mortos e mais de 200 feridos. O momento e o impacto causado pelo abalo foram registados através de uma câmara de videovigilância de um café, na ilha grega de Kos, um dos locais mais afetados.

  • A sátira a Sean Spicer no Saturday Night Live
    1:36

    Mundo

    O estilo de Sean Spicer foi controverso desde o início. A relação conflituosa do ex-assessor da Casa Branca com os jornalistas foi muitas vezes satirizada na comunicação social. Um exemplo é um momento do Saturday Night Live, protagonizado pela atriz Meliissa McCarthy.

  • Músico indiano toca guitarra durante cirurgia ao cérebro

    Mundo

    Abhishek Prasad foi submetido a uma cirurgia ao cérebro esta quinta-feira, num hospital na cidade indiana de Bangalore, após anos e anos a sofrer de dolorosos espasmos nas mãos. O insólito do caso foi que o músico indiano teve de tocar guitarra para ajudar os médicos durante a intervenção cirúrgica.