sicnot

Perfil

País

Jovens internados em centros educativos diminuíram 23% em março

O número de jovens internados, em março, nos centros educativos era de 187, registando-se uma diminuição de 23,04 por cento em relação ao mês homólogo de 2014, segundo a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP).

© Thomas Mukoya / Reuters

A estatística da DGRSP do mês de março indica que, a partir de julho de 2014, registou-se uma diminuição da lotação e do número de jovens internados com o fecho do Centro Educativo de Santa Clara, em Vila do Conde.

A DGRSP adianta que, desde novembro de 2014, que o número de jovens internados é inferior à lotação, estando, em março deste ano, internados 187 adolescentes para uma lotação de 198.

Dos 187 jovens internados, cinco encontravam-se em ausência não autorizada, não regressando aos centros educativos após autorização de saída.

Segundo a estatística de março, 64 por cento dos jovens estavam em regime semiaberto, 20 por cento em fechado e 16 por cento em aberto.

A maioria dos jovens (94 por cento) estavam em março a cumprir medida tutelar de internamento e seis por cento em cumprimento de medida cautelar de guarda, que pressupõe a existência fundada de perigo de fuga ou cometimento de outros crimes.

A DGRSP refere também que 49 por cento dos jovens cometeram crimes contra o património, nomeadamente roubos e furtos, e 42 por cento praticaram crimes contra as pessoas, como ameaça e coação e ofensas à integridade física.

Os dados indicam ainda que a maioria dos jovens internados (88,7%) eram rapazes com 16 ou mais anos e tinha equivalência ao primeiro (51%) e segundo (42%) ciclo de escolaridade.

Cerca de 62 por cento dos jovens internados em centros educativos, em março, foi alvo de processos oriundos de tribunais da área da Grande Lisboa.

Lusa
  • Um homem de 83 anos é a 42.ª vítima dos incêndios
    1:27

    País

    Subiu para 42 o número de vítimas mortais nos incêndios deste domingo. Um homem de 83 anos foi encontrado sem vida em Lugar de Covelo, em Vouzela. O número de feridos mantém-se, 14 estão em estado grave. A maior parte das mortes aconteceu no distrito de Coimbra (20) e Viseu (19). Segundo a Proteção Civil, já não há desaparecidos. Sete pessoas estavam dadas como desaparecidas e apenas uma foi encontrada sem vida. Um bebé de poucos meses tinha sido dado como morto, mas foi encontrado com vida.

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08