sicnot

Perfil

País

Morreu um dos queimados na explosão de ontem em Braga

Um dos quatro queimados na explosão ocorrida terça-feira numa habitação de Braga, um homem de 43 anos, morreu hoje cerca das 03:00 no Hospital de São João, no Porto, disse à Lusa fonte hospitalar.

Lusa

Segundo a mesma fonte, as crianças e a mãe mantêm-se com prognóstico reservado.

Uma explosão, seguida de incêndio, registou-se cerca das 07:30 de terça-feira, atingindo um casal e dois filhos.

Os feridos foram inicialmente transportados para o Hospital de Braga e posteriormente transferidos para o Hospital de São João, no Porto.

Fonte do Hospital de Braga disse que o casal ficou com queimaduras em 80 por cento do corpo e os filhos, ambos rapazes, em 60 por cento. As queimaduras são de 2.º e 3.º grau.

As autoridades estão a investigar as causas da explosão que destruiu o rés-do-chão da habitação, mas a Proteção Civil já admitiu que se terá tratado de uma fuga de gás.


Lusa
  • Queimados em explosão em Braga com prognóstico reservado
    2:22

    País

    As quatro pessoas que sofreram queimaduras graves hoje numa explosão numa casa em Braga estão internadas no Hospital de São João, no Porto, com "prognóstico reservado". O casal ficou com queimaduras em 80% do corpo. Os dois filhos, ambos rapazes com 8 e 16 anos, têm queimaduras em 60% do corpo.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.