sicnot

Perfil

País

Portugal e Irão assinalam "nova fase" no relacionamento e sublinham "desafios comuns"

A função de Portugal como "porta de entrada" para o Irão estabelecer contactos com os países lusófonos foi hoje sublinhada pelo chefe da diplomacia de Teerão, Javad Zarif, que visitou Lisboa a convite do seu homólogo português Rui Machete.

ANT\303\223NIO COTRIM

"Portugal é uma porta de entrada para o Irão promover contactos com os países de língua portuguesa, uma área que privilegiamos sobretudo em África, onde desenvolvemos boas relações há muitos anos, considerou o responsável iraniano, antes de se referir a um "novo dia" nas relações entre os dois países.    

"Pode ser um novo dia para as nossas relações com Portugal" e com o ocidente, assinalou, numa referência ao recente acordo provisório sobre o programa nuclear iraniano que deverá ser concluído de forma global até ao final e junho, com a perspetiva do fim das sanções internacionais aplicadas desde há longos anos ao país.   

A deslocação de Javad Zarif a Lisboa retribuiu a visita do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros (MENE) Rui Machete ao Irão, há cerca de três meses. Para além do encontro com o seu homólogo, Javad Zarif reuniu-se previamente com o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, e anunciou uma visita para breve ao seu país do vice-primeiro-ministro Paulo Portas. 

Ao iniciar a conferência de imprensa comum, Rui Machete recordou que os dois países "comemoram 500 anos desde o início do seu relacionamento diplomático" e definiu o atual estado das relações bilaterais, um dos temas do encontro, como "bom e com tendência para melhorar".   

Numa referência à sua recente deslocação oficial à república islâmica, Machete disse que Portugal pretende aproveitar o seu "potencial económico e que constitui um grande mercado para os produtos e serviços portugueses, sobretudo em setores como a construção automóvel, energias renováveis ou construção imobiliária de infraestruturas onde o valor das empresas portuguesas é reconhecido e onde o Irão tem apostado muito". 

O ministro português destacou ainda os "bons resultados" das negociações sobre o programa nuclear que decorreram em Lausanne e destacou os "esforços da alta representante da UE (para a Política Externa e de Segurança), Federica Mogherini, pelo secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e restantes colegas que tornaram este acordo possível, e o trabalho do representante iraniano aqui presente".   

Numa referência ao acordo definitivo que deverá ser anunciado até finais de junho, Machete exortou o Irão a "manter esse mesmo grau de empenho e confiança e que permita a redação de um acordo final".  

A abordagem dos conflitos regionais, as ameaças "de grande dimensão" e que requerem "resposta concertada da comunidade internacional", a necessidade de "contrariar veementemente e sem reservas as mensagens xenófobas e radicais de determinadas organizações, como Daesh (o movimento extremista Estado islâmico), Al-Qaida e respetivos afiliados", foram ainda aspetos salientados pelo MENE.  

"Mas para que isso aconteça é necessário que se promova cultura de diálogo e tolerância. A perseguição a que muitas minorias ou populações mais vulneráveis estão sujeitas é um crime para a própria estrutura social de muitos países da região", sustentou. 

Neste aspeto, Machete encorajou o Irão a "usar da sua influência regional, que é muito importante, para promover esta cultura de tolerância e estabelecer pontes e promover o diálogo de forma a contrariar a visão de que existe um confronto entre o xiismo e o sunismo". 

"Estamos no começo de uma nova fase de enorme importância em que cabe ao Irão um papel muito importante e confiamos que está à altura desse papel" frisou. 

Estes aspetos também foram sublinhados pelo ministro iraniano, que se referiu ao "muito trabalho a fazer, aos desafios comuns, porque o extremismo, terrorismo e tráfico de droga na nossa região são problemas interligados que estão a expandir-se e que são uma ameaça". 

A necessidade de "envolvimento e apoio ativo" dos principais atores internacionais na resolução dos principais desafios, em particular na conturbada região do Médio oriente, mereceu ainda a atenção de Javad Zarif.

"Necessitamos de terminar com assuntos que foram fabricados, o Irão nunca pretendeu desenvolver armas nucleares, porque as consideramos não apenas imorais, mas na prática inúteis em termos de dissuasão", assinalou. 

E concluiu: "Pode ser um novo dia para as relações entre Portugal e o Irão, mas também para as relações entre o Irão e o ocidente".

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57