sicnot

Perfil

País

Trabalhadores da Santa Casa de Lisboa estão hoje em greve

Trabalhadores da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) realizam hoje a primeira greve de sempre na instituição, para exigir a atualização dos salários, congelados desde 2009, informou o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais.

Além da greve, os trabalhadores realizam a partir das 11:00 uma concentração no Largo Trindade Coelho, em Lisboa, em frente à sede da SCML.

Entre as reivindicações contam-se a exigência de aumento dos salários, sem atualização desde 2009, e o descongelamento das progressões, a adoção das 35 horas de trabalho semanal e investimentos nos equipamentos da ação social da SCML.

De acordo com Paulo Soares, do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (STFPS) do Sul e Regiões Autónomas, "alguns centros infantis poderão estar encerrados e a maior parte dos lares de crianças e de idosos vão estar em serviços mínimos".

"Nos nossos serviços mínimos colocámos que será um dia igual a um domingo em período de férias, mas a realidade da Santa Casa, neste momento, é que tem tanta falta de pessoal que está a funcionar sempre igual a um domingo num período de férias", afirmou.

O sindicato tem vindo a alertar também para a "ameaça de despedimento" de 300 trabalhadores de equipamentos geridos pela Santa Casa, o que tem sido negado pela instituição.

   Em janeiro, representantes dos trabalhadores entregaram na SCML um abaixo-assinado, subscrito por 798 trabalhadores, a exigir a atualização de salários, bem como o descongelamento das progressões na carreira.

A Santa Casa refere no seu sítio na internet que tem mais de 5.000 colaboradores. 

Na quarta-feira representantes dos trabalhadores e da Santa Casa reuniram-se para tentar desbloquear o impasse sobre as várias reivindicações, mas não se chegou a consenso.




Lusa
  • Catalunha vs Espanha
    29:35
  • Empate técnico a uma semana das eleições na Catalunha

    Mundo

    A sete dias das eleições regionais catalãs, várias sondagens publicadas hoje indicam que os partidos constitucionalistas estão à frente nas intenções de voto, mas os independentistas ganham em número de lugares, sem nenhum dos blocos ter maioria absoluta.