sicnot

Perfil

País

Universidade de Coimbra faz estudo sobre exames nacionais em Portugal

Uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra (UC) vai liderar "o primeiro grande estudo" sobre os exames nacionais em Portugal, anunciou hoje aquela instituição.

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

O grande objetivo é "confrontar o sistema português com as suas debilidades em função das experiências de outros países", afirma Jaime Carvalho e Silva, especialista em ensino de matemática na UC e coordenador do estudo.

 

"Queremos perceber que exames são feitos, quem os produz e como os produz, como são corrigidos e como é controlada a qualidade das provas", acrescenta o docente do Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC.

 

"Vamos também avaliar, por exemplo, se os conteúdos são alinhados com os programas ou próprios do exame, o tipo de exame (escolha múltipla, resposta curta, desenvolvimento, escrito, oral, defesa de trabalhos, etc.), bem como o material autorizado" (tabelas, calculadoras, computadores, por exemplo), adianta.

 

A escolha reflete sistemas muito distintos, sustenta o docente de matemática, referindo que França é "um país com exames finais nacionais do secundário muito prestigiados e tradicionalmente exigentes".

 

Já na Coreia do Sul, "país asiático do topo dos rankings internacionais" ou em Singapura, "muito mencionado em discussões sobre a qualidade dos sistemas educativos", e nalguns outros países, como EUA, Canadá, Alemanha e Austrália, "nem sequer há exames nacionais (mas há exames na maioria dos Estados, embora não em todos)", afirma o especialista.

 

Em Portugal, os exames nacionais são "regularmente motivo de polémica", mas "não existe qualquer estudo sobre a matéria, nem relatórios técnicos que permitam avaliar a qualidade e a eficácia do sistema", refere, sublinhando a importância desta investigação.

 

Os exames em Portugal têm sido "um tema maldito e a discussão tem estado viciada, a grande maioria dos debates atuais é bastante superficial ou artificialmente politizada", frisa ainda o professor de matemática.

 

"Os exames são uma prova externa necessária", mas "o grande problema é que se pretende resolver as deficiências do sistema educativo português com recurso a provas nacionais", adverte Jaime Carvalho e Silva.

 

Designado "Comparação dos exames nacionais em Portugal com os de 12 outros países" (EUA, Canadá, Irlanda, Holanda, Alemanha, França, Espanha, Noruega, Coreia do Sul, Singapura, Brasil e Austrália), o estudo é financiado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos.

 

Envolvendo uma equipa multidisciplinar da UC e vários professores do ensino básico e secundário, a investigação pretende também "um debate público, sem preconceitos, sobre os exames nacionais", refere a UC, acrescentando que "vão ser realizadas várias conferências, em Coimbra, abertas ao público".

 

A primeira conferência está agendada para quarta-feira, no Departamento de Matemática da UC, com a participação, designadamente, do presidente do Conselho Nacional de Educação, David Justino.


Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.