sicnot

Perfil

País

Agência chinesa considera Martim Moniz "a praça mais multicultural de Lisboa"

A agência noticiosa oficial chinesa Xinhua descreveu o Martim Moniz como "a praça mais multicultural de Lisboa", numa reportagem publicada este domingo sobre a "nova vida" naquela zona da capital portuguesa.

O caso, ocorrido cerca das 10:00 e presenciado por testemunhas, foi entregue à Polícia Judiciária para posterior investigação. (Arquivo)

O caso, ocorrido cerca das 10:00 e presenciado por testemunhas, foi entregue à Polícia Judiciária para posterior investigação. (Arquivo)

Facebook

"Outrora praticamente deserta e pouco frequentada devido à sua má reputação", a praça do Martim Moniz transformou-se numa "área animada e híbrida", com quiosques que vendem "comida de todo o mundo, desde pizzas a massas chinesas", salienta a reportagem.

A transformação começou em 2012, assinala a Xinhua.

"A praça ganhou uma vida nova. Há apenas alguns anos estava cheia de ladrões e toxicodependentes", disse um comerciante do Bangladesh citado pela agência chinesa.

Em fevereiro passado, centenas de pessoas acorreram ao Martim Moniz para celebrar a entrada no Ano da Cabra, numa festa com danças tradicionais chinesas, refere a Xinhua.

Uma jovem comerciante chinesa residente em Évora chamada Jennifer contou à Xinhua que vai regularmente às compras naquela zona de Lisboa. 

"No Martim Moniz, hoje, pessoas como Jennifer podem sentir-se em casa e a população local tem uma visão da diversidade do mundo à porta de casa", remata a reportagem.
Lusa
  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • População afetada pelo fogo tenta repor o que as chamas destruíram
    1:54
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.