sicnot

Perfil

País

Agência chinesa considera Martim Moniz "a praça mais multicultural de Lisboa"

A agência noticiosa oficial chinesa Xinhua descreveu o Martim Moniz como "a praça mais multicultural de Lisboa", numa reportagem publicada este domingo sobre a "nova vida" naquela zona da capital portuguesa.

O caso, ocorrido cerca das 10:00 e presenciado por testemunhas, foi entregue à Polícia Judiciária para posterior investigação. (Arquivo)

O caso, ocorrido cerca das 10:00 e presenciado por testemunhas, foi entregue à Polícia Judiciária para posterior investigação. (Arquivo)

Facebook

"Outrora praticamente deserta e pouco frequentada devido à sua má reputação", a praça do Martim Moniz transformou-se numa "área animada e híbrida", com quiosques que vendem "comida de todo o mundo, desde pizzas a massas chinesas", salienta a reportagem.

A transformação começou em 2012, assinala a Xinhua.

"A praça ganhou uma vida nova. Há apenas alguns anos estava cheia de ladrões e toxicodependentes", disse um comerciante do Bangladesh citado pela agência chinesa.

Em fevereiro passado, centenas de pessoas acorreram ao Martim Moniz para celebrar a entrada no Ano da Cabra, numa festa com danças tradicionais chinesas, refere a Xinhua.

Uma jovem comerciante chinesa residente em Évora chamada Jennifer contou à Xinhua que vai regularmente às compras naquela zona de Lisboa. 

"No Martim Moniz, hoje, pessoas como Jennifer podem sentir-se em casa e a população local tem uma visão da diversidade do mundo à porta de casa", remata a reportagem.
Lusa
  • Corpos de portuguesas trasladados segunda-feira 
    1:27
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Estado vai tomar posse de terras abandonadas

    País

    O Governo vai recorrer ao Código Civil para permitir que o Estado tome posse de terras ao abandono. À margem da entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro anunciou que o Governo irá acionar o artigo 1345º do Código Civil, que estabelece que as coisas imóveis sem dono conhecido se consideram do património do Estado.

  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22