sicnot

Perfil

País

Agência chinesa considera Martim Moniz "a praça mais multicultural de Lisboa"

A agência noticiosa oficial chinesa Xinhua descreveu o Martim Moniz como "a praça mais multicultural de Lisboa", numa reportagem publicada este domingo sobre a "nova vida" naquela zona da capital portuguesa.

O caso, ocorrido cerca das 10:00 e presenciado por testemunhas, foi entregue à Polícia Judiciária para posterior investigação. (Arquivo)

O caso, ocorrido cerca das 10:00 e presenciado por testemunhas, foi entregue à Polícia Judiciária para posterior investigação. (Arquivo)

Facebook

"Outrora praticamente deserta e pouco frequentada devido à sua má reputação", a praça do Martim Moniz transformou-se numa "área animada e híbrida", com quiosques que vendem "comida de todo o mundo, desde pizzas a massas chinesas", salienta a reportagem.

A transformação começou em 2012, assinala a Xinhua.

"A praça ganhou uma vida nova. Há apenas alguns anos estava cheia de ladrões e toxicodependentes", disse um comerciante do Bangladesh citado pela agência chinesa.

Em fevereiro passado, centenas de pessoas acorreram ao Martim Moniz para celebrar a entrada no Ano da Cabra, numa festa com danças tradicionais chinesas, refere a Xinhua.

Uma jovem comerciante chinesa residente em Évora chamada Jennifer contou à Xinhua que vai regularmente às compras naquela zona de Lisboa. 

"No Martim Moniz, hoje, pessoas como Jennifer podem sentir-se em casa e a população local tem uma visão da diversidade do mundo à porta de casa", remata a reportagem.
Lusa
  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.