sicnot

Perfil

País

PS celebra hoje no Porto 42º aniversário

O secretário-geral socialista, António Costa, celebra este domingo, no Porto, os 42 anos da fundação do PS, numa festa/comício em que estarão presentes os antigos presidentes da República Mário Soares e Jorge Sampaio.

O líder socialista diz que se tratou de "uma sucessão de equívocos, um caso lamentável". (Arquivo)

O líder socialista diz que se tratou de "uma sucessão de equívocos, um caso lamentável". (Arquivo)

MIGUEL A. LOPES / Lusa

Além de Mário Soares e Jorge Sampaio, no comício socialista no pavilhão Rosa Mota, estarão igualmente o líder parlamentar do PS, Ferro Rodrigues, o presidente deste partido, Carlos César, e o presidente honorário, Almeida Santos.

No Porto, hoje, o PS pretende conjugar a celebração do aniversário da sua fundação em Bad Munsterefeil, na República Federal Alemã, em 1973, com outras duas comemorações: os 41 anos do 25 de Abril de 1974 e os 40 anos das eleições para a Assembleia Constituinte - um ato eleitoral que os socialistas venceram com 37% dos votos. 

"Vamos celebrar o PS como partido pilar da democracia portuguesa", declarou à agência Lusa Luís Patrão, membro do Secretariado Nacional. 

Para assinalar mais um aniversário da fundação do PS, a direção dos socialistas colocará esta manhã à disposição dos seus simpatizantes e militantes que pretendam descolocar-se ao Porto um comboio especial, denominado "Comboio da Democracia".

António Costa viajará nesse comboio, com capacidade para cerca de 900 passageiros e com partida da Gare do Oriente, em Lisboa, tendo paragens previstas em Vila Franca de Xira, Azambuja, Santarém, Pombal, Coimbra e Aveiro, com chegada à estação de São Bento, no Porto, por volta das 13:00 horas.

No pavilhão Rosa Mota, antes das intervenções políticas, que começarão a meio da tarde, estão previstas atuações de André Sardet, de Luís Represas e João Gil, do grupo Diapasão e dos Lucky Duckies.

Serão ainda prestadas homenagens fado e ao cante alentejano - já classificados como património cultural imaterial da humanidade pela UNESCO -, numa sessão em que atuarão o Grupo Coral da Casa do Povo de Reguengos de Monsaraz, o Grupo Etnofolclórico "Renascer da Areosa" de Viana do Castelo, a Banda Filarmónica do Louriçal e o Ranho Folclórico da Velha Guarda da Nazaré.

No recinto do pavilhão Rosa Mota, serão colocadas bancas alusivas a cada uma das regiões do país, contendo artesanato e gastronomia típica.
Lusa
  • PS tem um passivo de 11 milhões de euros

    País

    O Partido Socialista tem um passivo de 11 milhões de euros e não está a conseguir pagar contas básicas nas secções socialistas de todo o país. Segundo o Expresso, o PS pediu 1,5 milhões de euros à banca para financiar a campanha para as legislativas.

  • Passos está à espera que António Costa prometa "o céu e a terra"
    1:31

    País

    Pedro Passos Coelho desafiou este sábado o PS a dizer como quer resolver o problema da sustentabildiade da Segurança Social. O primeiro-ministro, que acusa o PS de recusar todo e qualquer tipo de acordos, pede aos socialistas que aprenda com o passado e que seja firme no que defende, quando apresentar o cenário macroeconómico para os próximos anos.

  • "A banca parece que não aprendeu nada com a bolha imobiliária de 2008"
    3:23

    Opinião

    O Governo quer limitar a venda de produtos financeiros pelos bancos. Está no parlamento uma proposta de lei que penaliza as más práticas comerciais e tenta proteger os clientes, evitando abusos e encargos excessivos e obrigando os bancos a prestarem-lhes mais informação. A proposta prevê ainda que seja dada mais formação aos funcionários. Miguel Sousa Tavares considera a decisão do Governo acertada uma vez que protege os interesses dos clientes. O comentador da SIC faz ainda referência ao ano 2008, início da crise no ramo imobiliário por "culpa dos credores".

    Miguel Sousa Tavares

  • PSP apreende 11 armas e 700 quilos de droga
    0:59

    País

    A PSP recuperou mais três das 57 pistolas Glock que foram dadas como desaparecidas da Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública, há mais de um ano. As armas foram apreendidas na última madrugada durante uma operação de combate ao tráfico de estupefacientes. Três pessoas foram detidas. Além das três Glock que pertenciam à PSP, foram aprendidas mais 11 armas e 700 quilos de droga.

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47

    Opinião

    Donald Trump admite regras mais apertadas para quem compra armas, isto após o tiroteio numa escola da Florida que fez 17 mortos. Miguel Sousa Tavares defende que os Estados Unidos da América são "uma sociedade de pistoleiros" e diz que a Associação Nacional de Rifles "gasta muito dinheiro" para conseguir que as leis não sejam mudadas no Senado.

    Miguel Sousa Tavares