sicnot

Perfil

País

Assunção Esteves critica "passividade" das lideranças depois de naufrágio

A presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, criticou hoje a "passividade" e a "falta de atenção" das lideranças políticas perante a crise da imigração, depois do naufrágio, no sábado, de uma traineira com 700 pessoas a bordo. 

LUSA

Cerca de 700 imigrantes estão desaparecidos no Mediterrâneo, depois de a traineira onde viajavam com destino a Itália ter naufragado a 60 milhas da costa da Líbia no sábado à noite. O mais recente balanço oficial dava conta de 24 mortos e de 28 sobreviventes. 

"O naufrágio agiganta cada vez mais aos nossos olhos a tragédia quotidiana de muitos milhares, os que se atrevem e os que ficam, os filhos da má sorte, os que as lideranças pela sua passividade tomam afinal como uma massa desumanizada sem merecimento de atenção", criticou hoje Assunção Esteves.

A presidente da Assembleia da República regia assim, numa curta nota, ao naufrágio de sábado que provocou pelo menos 24 mortos e que motivou, depois de pedidos de vários líderes políticos (de Itália, principalmente) o agendamento de uma reunião de urgência com os ministros do Interior e dos Negócios Estrangeiros da União Europeia.

 Só no ano passado, vários milhares de pessoas morreram a tentar chegar à Europa através do Mediterrâneo, naquela que as Nações Unidas descreveram como uma das rotas mais perigosas do mundo. 

Cerca de 170.000 pessoas chegaram a Itália em 2014 depois de resgatadas pela marinha, guarda costeira ou navios mercantes. 


Lusa

  • Milhares protestam contra Donald Trump no Dia do Presidente
    1:55

    Mundo

    Milhares de pessoas voltaram a protestar contra Donald Trump, nos Estados Unidos da América. As marchas em várias cidades aconteceram no feriado que assinala o Dia do Presidente. Os manifestantes exigiram a destituição do chefe de Estado.

  • O mistério da morte do meio irmão de Kim Jong-un
    2:32
  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Homens e mulheres nas tarefas domésticas
    2:09

    País

    Nas gerações mais novas, já há sinais de mudança na divisão e partilha de tarefas em casa. No entanto, entre os mais velhos, as tarefas de casa são quase sempre obrigação da mulher. A igualdade entre homens e mulheres é ainda miragem dentro de casa e em termos de salários.