sicnot

Perfil

País

Assunção Esteves critica "passividade" das lideranças depois de naufrágio

A presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, criticou hoje a "passividade" e a "falta de atenção" das lideranças políticas perante a crise da imigração, depois do naufrágio, no sábado, de uma traineira com 700 pessoas a bordo. 

LUSA

Cerca de 700 imigrantes estão desaparecidos no Mediterrâneo, depois de a traineira onde viajavam com destino a Itália ter naufragado a 60 milhas da costa da Líbia no sábado à noite. O mais recente balanço oficial dava conta de 24 mortos e de 28 sobreviventes. 

"O naufrágio agiganta cada vez mais aos nossos olhos a tragédia quotidiana de muitos milhares, os que se atrevem e os que ficam, os filhos da má sorte, os que as lideranças pela sua passividade tomam afinal como uma massa desumanizada sem merecimento de atenção", criticou hoje Assunção Esteves.

A presidente da Assembleia da República regia assim, numa curta nota, ao naufrágio de sábado que provocou pelo menos 24 mortos e que motivou, depois de pedidos de vários líderes políticos (de Itália, principalmente) o agendamento de uma reunião de urgência com os ministros do Interior e dos Negócios Estrangeiros da União Europeia.

 Só no ano passado, vários milhares de pessoas morreram a tentar chegar à Europa através do Mediterrâneo, naquela que as Nações Unidas descreveram como uma das rotas mais perigosas do mundo. 

Cerca de 170.000 pessoas chegaram a Itália em 2014 depois de resgatadas pela marinha, guarda costeira ou navios mercantes. 


Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • Fim de semana de muito frio e vento forte
    2:08

    País

    Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, vem aí mais frio e as temperaturas mínimas negativas vão regressar a alguns pontos do país. Prevê-se também vento intenso para as próximas 48 horas.

  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC