sicnot

Perfil

País

GNR deteve 145 pessoas durante o fim de semana

A GNR deteve durante o fim de semana 145 pessoas em flagrante delito, 90 das quais por condução sob o efeito de álcool, e apreendeu 1.326 doses de haxixe, duas armas de fogo e 11 armas brancas, foi hoje divulgado.

© Dominick Reuter / Reuters

Dos detidos, 20 estavam a conduzir sem carta, sete tinham armas proibidas, dois faziam tráfico de estupefacientes e 26 cometeram outros crimes não especificados, de acordo com o comunicado da Guarda Nacional Republicana.

A GNR revelou ainda terem sido elaborados 143 autos de notícia por detenção em flagrante delito e 2.181 autos de contraordenação a legislação diversa.

As operações que decorrem sábado e domingo visando a prevenção e combate à criminalidade violenta e fiscalização rodoviária foram desenvolvidas nos distritos/comandos territoriais de Aveiro, Braga, Coimbra, Évora, Faro, Lisboa, Leiria, Porto, Santarém, Setúbal, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu.

Em relação ao trânsito, a GNR fiscalizou 5.992 condutores e detetadas 2.133 infrações, das quais se destacam 241 por condução com taxa de álcool no sangue superior ao permitido por lei, 1.311 excessos de velocidade (em 62.593 controlos), cinco relativas a excesso ou deficiente acondicionamento de carga e 30 relacionadas com tacógrafos.



Lusa
  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.