sicnot

Perfil

País

Teste de amamentação no Hospital de Santo António passa a ser feito por prolactina

O presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar do Porto, Sollari Allegro, disse hoje que, "em função deste escândalo", decidiu-se alterar os testes para comprovar a amamentação, que serão feitos por análises à prolactina.

"Para verificação se estavam em aleitamento [fazia-se] a expressão da mama, a retirada com bomba ou a [análise à] prolactina e as senhoras faziam a escolha do método que pretendiam. É evidente que, se não quisessem fazer, não faziam e não havia qualquer consequência", disse à Lusa o presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar do Porto, que inclui o Hospital de Santo António.

O jornal Público noticiou no domingo que duas enfermeiras, uma do Hospital de Santo António e outra do São João, ambos no Porto, se queixam de terem tido que comprovar às entidades laborais que estavam a amamentar "espremendo leite das mamas à frente a médicos de saúde ocupacional". 

Na sequência da notícia e do "escândalo social", o conselho de administração do Centro Hospitalar do Porto deu ordens para que, a partir de hoje, passasse a ser utilizada apenas a análise à prolactina "às que aceitarem fazê-lo".

Sollari Allegro justificou a prova por terem verificado que "havia muita gente em aleitamentos prolongados, muito além daquilo que é imaginável", pelo que foi pedido ao departamento de Qualidade que implementasse um sistema de controlo.

"Eles decidiram que havia um chamamento das pessoas que estavam em aleitamento há mais de dois anos e depois punham três hipóteses", disse o responsável.

Sobre as eventuais consequências de quem se recusasse a fazer o teste, Sollari Allegro afirmou que "legalmente não pode haver consequências, é uma tentativa de esclarecer as situações".

No domingo, o ministro da Saúde, Paulo Macedo, disse não conhecer a metodologia aplicada pelos dois hospitais do Porto que pediram provas de evidência de leite às funcionárias que recorrem à possibilidade de redução do horário de serviço por amamentarem.

No mesmo dia, a porta-voz do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, defendeu alterações legislativas para acabar com os atentados contra a dignidade das mulheres e pediu esclarecimentos ao ministro da Saúde sobre as enfermeiras que tiveram de espremer leite para provarem estar a amamentar. 

No mesmo sentido foram as declarações do deputado do PCP Jorge Machado, que disse à Lusa que o partido vai questionar o Governo na sequência da denúncia de que há trabalhadoras em hospitais no Porto a serem forçadas a espremer leite para provar que estão a amamentar. 


Lusa
  • Enfermeiras espremem seios para comprovar amamentação
    1:28

    País

    Duas enfermeiras do Porto dizem que tiveram de espremer os seios para comprovar que estão a amamentar para assim prolongar a redução de horário. A administração do Hospital de Santo António diz que o procedimento criado para detectar falsas licenças é opcional. No entanto, admite que vai ser revisto.

  • Desde 2005 morreram 72 bombeiros mas ninguém sabe quantos ficaram feridos
    2:02

    Reportagem Especial

    "Vidas de Fogo" é a Reportagem Especial desta noite, sobre os bombeiros feridos em combate a incêndios florestais. Este ano, durante o período mais crítico dos fogos, vão estar no terreno quase 10.000 operacionais. Grande parte são bombeiros voluntários. Vamos contar cinco casos de bombeiros feridos em combate e tentar saber como se recupera de um acidente, como se vive depois de queimado e como se lida com a morte de colegas durante um fogo.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Líder do Daesh abatido durante fuga

    Daesh

    Um líder do Daesh e o assistente foram abatidos pela polícia iraquiana, em Mossul. A notícia é avançada pela agência EFE que esclarece que os dois homens terão sido mortos enquanto fugiam do Oeste para Este da cidade iraquiana através do rio Tigre.