sicnot

Perfil

País

Cada euro investido numa IPSS mais do que duplica o retorno

Cada euro investido nas Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) dos municípios de Idanha-a-Nova, Macedo de Cavaleiros, Montijo e Peniche gera, no mínimo e em média, 2,46 euros de benefícios sociais, revela um estudo da CNIS.

© Kim Hong-Ji / Reuters

As conclusões fazem parte do estudo "Impactes Económico e Social das IPSS", encomendado pela Confederação Nacional de Instituições de Solidariedade (CNIS), que teve por objetivo demonstrar a mais-valia destas instituições, tendo por base dois concelhos do interior e dois concelhos do litoral.

Segundo a assessora da CNIS Palmira Macedo, o estudo concluiu que, no total das IPSS dos quatro municípios em análise, "cada euro investido gera, no mínimo, 2,46 euros de benefícios sociais".

Analisando as diferentes respostas sociais, os valores aumentam para 3,93 euros no caso das creches e jardins-de-infância, 4,23 euros, nos Lares de Idosos, e 5,68 euros em relação aos Serviços de Apoio Domiciliário (SAD).

Palmira Macedo explicou que se trata de valores médios, já que o impacto relativo das IPSS é maior nos concelhos do interior.

A assessora da CNIS adiantou também que "a atividade das IPSS nestes municípios induz a um aumento de 3% do total da produção, a 9% do total de valor acrescentado bruto e 6% do total do emprego".

Outros resultados e os valores específicos para cada município serão conhecidos hoje na apresentação do estudo, em Idanha-a-Nova, no Centro Cultural Raiano, pelas 15:00.


Lusa


  • Atrás das Câmaras em Mirandela
    2:36

    Atrás das Câmaras

    A SIC está a percorrer o pais para ouvir as historias dos municípios e dos eleitores. Até às autárquicas, o programa opinião pública dá lugar ao Atrás das Câmaras, que hoje está em Mirandela, no distrito de Bragança, como conta a repórter Catarina Lázaro.

    Hoje na SIC e SIC Notícias

  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03
  • "Não é possível fazer tudo ao mesmo tempo"
    0:39

    Orçamento do Estado 2018

    O deputado e economista do PS Paulo Trigo Pereira defende que o desagravamento fiscal que o Governo quer pôr em marcha é "moderado". Em entrevista ao Público e à Renascença, o socialista diz que é preciso realismo e que é uma "alquimia" mexer ao mesmo tempo nas carreiras, pensões e rendimentos dos trabalhadores.

  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15