sicnot

Perfil

País

Hospitais do continente reclamam 60 milhões por serviços a açoreanos

Várias unidades do Serviço Nacional de Saúde (SNS) do continente estão a reclamar em tribunal o pagamento de cerca de 60 milhões de euros por serviços prestados a residentes nos Açores.

© Philippe Wojazer / Reuters

A informação foi avançada hoje por fonte oficial da Secretaria Regional de Saúde dos Açores, após o Supremo Tribunal Administrativo (STA) ter aceitado analisar um recurso para saber se o Governo daquela região autónoma é responsável pelo pagamento dos cuidados de saúde prestados aos seus residentes, no continente, pelos serviços do SNS.

A Secretaria Regional da Saúde dos Açores recorreu de uma decisão do Tribunal Central Administrativo (TCA) do Norte que a condenou a pagar cerca de 5.000 euros ao Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga.

Em causa estão cuidados de saúde que aquele centro hospitalar, que agrupa os hospitais de Santa Maria da Feira, São João da Madeira e Oliveira de Azeméis, prestou a beneficiários do Serviço Regional de Saúde dos Açores.

No recurso, a Secretaria Regional da Saúde diz que existem várias decisões da primeira instância em processos semelhantes e dois acórdãos do TCA que a condenam a pagar os cuidados de saúde prestados aos cidadãos portugueses residentes nos Açores.

Um dos argumentos invocados pelos juízes para aceitar o recurso é o facto de a questão ter sido decidida de modo diverso pela primeira e segunda instâncias o que, só por si, "evidencia não se tratar de questão simples".

"Por outro lado trata-se de questão de interesse geral sobre a articulação do Serviço Nacional de Saúde e os serviços de saúde da Região Autónoma dos Açores", dizem os juízes, adiantando que se está perante uma "questão jurídica de importância fundamental".

Em declarações à agência Lusa, fonte oficial da Secretaria Regional de Saúde dos Açores disse que receberam com satisfação a decisão do STA, considerando que "vem confirmar que o acórdão da instância inferior necessita de ser devidamente revisto".

Em outubro do ano passado, os governos da República e dos Açores decidiram constituir um grupo de trabalho para apurar o valor das dívidas que o Serviço Nacional de Saúde reclama ao Serviço Regional de Saúde e vice-versa. O primeiro-ministro disse na altura, durante uma visita aos Açores, que este levantamento incluiria também a Madeira.

"O grupo de trabalho constituído tem reunido com o objetivo de definir os princípios do entendimento, antes de se dedicar ao apuramento real dos montantes", disse a mesma fonte da Secretaria Regional da Saúde dos Açores.

Lusa
  • PS e BE não propõem alívio da dívida à UE
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à União europeia e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta dos partidos para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido qualquer perdão de dívida, ao contrário do que os partidos mais à esquerda chegaram a defender.

  • Antigos ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo MP
    1:54

    Operação Marquês

    Quatro antigos ministros de Governos de José Sócrates foram ouvidos recentemente pelo Ministério Público (MP), no âmbito da Operação Marquês. Mário Lino, António Mendonça, Teixeira dos Santos e Luís Campos e Cunha foram ouvidos como testemunhas. Os investigadores chamaram os antigos governantes para esclarecer decisões relacionadas com a PT.

    Notícia SIC

  • Suspeito de atropelamento mortal diz que foi mero acidente 
    2:00
  • Confrontos na primeira greve geral no Brasil em 21 anos
    1:34
  • "Está na altura de pressionarmos a Coreia do Norte"
    0:45

    Mundo

    O secretário de estado norte-americano, Rex Tillerson, afirmou esta sexta-feira na ONU que a ameaça da Coreia do Norte é real e pediu que o conselho de segurança da ONU tome medidas antes que seja o regime de pyongyang a fazê-lo.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre após a cirurgia

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.