sicnot

Perfil

País

Rui Machete confirma envio de 30 militares para o Iraque para combater grupo Estado Islâmico

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Rui Machete, confirmou hoje em Washington que Portugal vai enviar 30 militares para o Iraque para colaborar no combate contra o movimento extremista Estado Islâmico (EI). 

SHAWN THEW

"Como decorreu de uma declaração do Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN), as forças armadas portuguesas vão facilitar a preparação e capacitação das forças armadas iraquianas perto de Bagdad. Esse é um esforço muito concreto na formação do exército iraquiano, que é uma das estratégias no combate ao ISIS (uma das designações do Estado Islâmico)", disse Rui Machete à agência Lusa no final de um encontro com o seu homólogo dos Estados Unidos, John Kerry.  

O ministro dos Negócios Estrangeiros não revelou outros pormenores sobre a missão, confirmando apenas que estão envolvidos 30 militares e que a sua partida está iminente. 

"Está publicada a parte que deve ser conhecida. Os militares já estão a ser preparados para esta missão", disse Rui Machete. 

A decisão sobre o envio de militares portugueses para o Iraque foi tomada na reunião de 16 de dezembro de 2014 do Conselho Superior de Defesa Nacional, tendo na altura sido avançada a contribuição de Portugal com um contingente de "até 30 militares" durante este ano.

Antes do encontro com Rui Machete, o chefe da diplomacia dos Estados Unidos tinha já agradecido o envolvimento de Portugal no combate contra o EI no Iraque.

"Estamos agradecidos pelo seu apoio aos esforços no Iraque. E estamos, sobretudo, muito gratos pelos esforços de Portugal na sua responsabilidade global. Incluindo o seu apoio na coligação contra o Estado Islâmico, o seu compromisso no contra-terrorismo", disse John Kerry. 

Lusa
  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.