sicnot

Perfil

País

Mães dedicam mais tempo aos filhos, pais frustados por estarem mais ausentes

As mães estão mais tempo com filhos e trabalham mais horas entre as tarefas domésticas e o emprego, mas os pais sentem-se frustrados por não conseguirem dedicar maior atenção à criança, revela um estudo sobre as famílias portuguesas.

© Nacho Doce / Reuters

A investigação, publicada no livro Parentalidade(s) nas Famílias Nucleares Contemporâneas, que é apresentado hoje em Lisboa, envolveu 200 mães e 158 pais de crianças em idade pré-escolar que frequentavam os jardins-de-infância da rede pública do concelho da Amadora.

Em declarações à agência Lusa, a autora do livro, Margarida Mesquita, adiantou que o estudo pretendeu caracterizar o envolvimento parental, como é que o pai e a mãe se relacionavam com a criança e qual dos dois estava mais envolvido.

"A grande constatação foi que as mães estão tão ou mais envolvidas que os pais em relação à criança" e que "as mães sentem tanto ou mais do que os pais os problemas na parentalidade", adiantou a investigadora do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP). 

O estudo verificou que as mães dispendem mais tempo com os filhos e são quem os acompanham e entendem melhor, enquanto os pais participam mais na educação e nas tomadas de decisão em relação à criança.

Os pais, contudo, sentem-se frustrados e culpados por não conseguirem passar tanto tempo como gostariam com os filhos. "Tínhamos, às vezes, a ideia de que eram só as mulheres que tinham esses sentimentos de culpa, mas os pais também têm", disse a socióloga.

"Se as mães se envolvem mais com as crianças a verdade é que os pais também têm condições profissionais que são mais adversas ao exercício da parentalidade", trabalhando mais horas, por turnos, ao fim de semana e alguns têm dois empregos.

Os pais trabalham em média 9,2 horas por dia e as mães 8,1 horas, refere o estudo, acrescentando que metade dos pais inquiridos trabalha ao fim de semana e faz mais horas no trabalho, contra cerca de 30% das mães.  

Esta situação "cria-lhes uma desvantagem no envolvimento com a criança", adiantou a socióloga.

Margarida Mesquita adiantou que a sociedade está a atravessar "mudanças muito profundas" acerca do que é o papel de pai e o papel de mãe.

"Isto significa que a sociedade está a potenciar a coexistência no mesmo casal de representações de ideais diferentes daquelas que são depois as suas práticas", o que potencia sentimentos de culpa e de frustração, sublinhou.

O "problema central" que estas famílias enfrentam é a dificuldade de conciliar o trabalho com a parentalidade. 

Quando inquiridas sobre qual seria a melhor solução, a maioria manifestou-se contra a ideia de retirar a mãe do trabalho, considerando que o melhor seria trabalharem os dois menos tempo.    

Numa altura em que se discute o trabalho a tempo parcial, Margarida Mesquita disse que esta opção irá recair para a mãe, o que poderá significar que a mulher reduz a jornada de trabalho, mas ficará mais sobrecarregada na parte doméstica e nos cuidados às crianças.

"É hoje mais difícil ser pai e mãe e é também mais competitivo o mercado de trabalho, sendo que esta conciliação criou grandes dificuldades" à parentalidade, frisou.


Lusa
  • Natalidade quando não havia apoios
    4:06

    País

    Hoje procuram-se incentivos para aumentar a natalidade. Mas, antigamente, quando não existiam apoios e as dificuldades eram bem maiores, criavam-se muitos filhos, sobretudo, nas aldeias do interior de Portugal.

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24

    Economia

    Milhares de clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que até aqui estavam isentos de qualquer pagamento, vão começar a pagar quase 5 euros por mês por comissões de conta. A medida abrange também reformados e pensionistas e entra em vigor já em setembro. Ainda assim, os clientes com mais de 65 anos e uma pensão inferior a 835 euros por mês continuam isentos.

  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC