sicnot

Perfil

País

STAL anuncia queixa-crime contra não publicação de acordos pelas 35 horas de trabalho

O Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL) vai apresentar uma queixa-crime no Ministério Público contra o Governo pela falta de publicação dos acordos que permitem trabalhar 35 horas semanais nas autarquias, disse hoje o presidente do STAL.

No final de uma manifestação que juntou mais de três mil pessoas na Baixa de Lisboa, que desfilaram entre o Rossio e a avenida Infante D. Henrique, onde está localizado o Ministério das Finanças, Francisco Braz criticou a falta de publicação dos mais de 500 Acordos Coletivos de entidade Empregadora Pública (ACEP) celebrados entre o Governo e as autarquias.

"Isto é uma vergonha, é criminoso. De resto, vamos solicitar ao Ministério Público que desenvolva o que for necessário para responder a uma queixa-crime que vamos fazer sobre este Governo", disse, precisando posteriormente que o STAL irá apresentar esta queixa-crime, "previsivelmente, ainda esta semana".

O dirigente do STAL criticou ainda a utilização de 77 mil desempregados que estão a prestar serviços na administração pública, recebendo "o subsídio de desemprego a que tinham direito acrescido de cerca de 80 euros, sem qualquer perspetiva de futuro".

"É preciso cuidar dos salários. Não é no próximo Governo. É já. É preciso o fim da sobretaxa e é já. Não é para depois. É já. É preciso acabar com esta coisa de utilização de mão-de-obra desempregada. Isto é um crime social. Isto é um atentado até às consciências", afirmou, acrescentando que o STAL vai pedir audiências à Procuradoria-Geral da República, ao Provedor de Justiça e à presidente da Assembleia da República para alertar estas entidades para o que considerou "trabalho escravo".

Na manifestação de hoje, que terminou em frente ao Ministério das Finanças, participou também o secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, assim como trabalhadores da administração local de todo o país.

A Lisboa chegaram 70 autocarros com manifestantes vindos de todos os distritos, de acordo com José Correia, vice-presidente do STAL.

No final da manifestação, os trabalhadores aprovaram uma moção, que entregaram no Ministério das Finanças.

No manifesto, os trabalhadores "exigem a imediata eliminação da sobretaxa extraordinária de IRS e o aumento do salário mínimo", além da "imediata publicação dos ACEP, livremente celebrados com as autarquias, pondo-se cobro ao bloqueio ilegal imposto pelo Governo e ao seu comportamento chantagista, prepotente e inconstitucional".

Reclamam ainda a "imediata revogação do regime legal dos contratos de emprego e inserção e a regularização da situação destes trabalhadores sempre que desempenham funções permanentes".

O "imediato início de um processo de valorização das carreiras profissionais e dos salários na administração pública, que reponha o poder de compra perdido e dignifique os trabalhadores" é outra das exigências.

Lusa

  • Novo dia de protestos contra expropriações na ilha do Farol
    2:30

    País

    A sociedade Polis Ria Formosa concluiu a tomada de posse das construções identificadas como ilegais na ilha do Farol, na Ria Formosa, em Faro. No segundo dia da operação, sob fortes protestos da população, os técnicos da Polis, escoltados pela Polícia Marítima, expropriaram hoje mais 18 construções.

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Zeca Afonso morreu há 30 anos
    1:11
  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira