sicnot

Perfil

País

GNR quer identificar jovens em risco que possam aderir ao terrorismo

A GNR quer identificar, através de perfis psicológicos, jovens em risco que possam vir a ter comportamentos radicais e aderirem a organizações terroristas, disse hoje o comandante operacional da GNR.

Reuters

O major-general Luís Botelho Miguel, que participou numa conferência sobre terrorismo organizada pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), adiantou que os perfis vão ser identificados pelo Gabinete de Psicologia e Intervenção Social da GNR.

No âmbito da Estratégia Nacional de Combate ao Terrorismo recentemente aprovada pelo Governo e no domínio da deteção, Luís Botelho Miguel afirmou que a Guarda Nacional Republicana quer "robustecer a estrutura de recolha de informação".

Nesse sentido, a GNR quer conseguir identificar os perfis para detetar mais facilmente jovens que queiram aderir a organizações terroristas, afirmou.

Luís Botelho Miguel disse à agência Lusa que a GNR quer identificar os perfis psicológicos dos jovens em risco para perceber eventuais comportamentos de radicalização.

O comandante operacional da GNR explicou que através de perfis psicológicos é possível perceber se os jovens podem vir a ter eventuais comportamentos radicais.

 "Se tiverem estes perfis há um grande potencial de ter comportamentos radicais", disse.

Também presente na conferência, o diretor nacional da PSP, superintendente-chefe Luís Farinha, defendeu que se deve "aumentar a capacidade de deteção precoce".

Abordando os desafios futuros para prevenir e combater o terrorismo, o diretor nacional da PSP considerou "fundamental" que se aposte "estrategicamente no policiamento de proximidade.

"Nenhum sistema de segurança pode garantir a deteção de todas as ameaças e riscos terroristas. Pois mesmo para ameaças conhecidas podem não ser considerados todos os riscos delas resultantes. O sistema de segurança não é perfeito e não consegue saber tudo, a incerteza é uma constante, em particular quando tratamos de ameaças complexas", sustentou.

Os dois elementos das forças de segurança participaram no painel dedicado à "investigação criminal no combate ao terrorismo: perspetivas das instituições" no âmbito da "I Conferência Nacional Terrorismo - O desafio à segurança interna no século XXI".

Lusa
  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.