sicnot

Perfil

País

Um em cada quatro jovens do Centro do país foi vítima de violência no namoro

Um em cada quatro alunos do 11º e 12º ano de duas escolas secundárias da região Centro alega ter sido vítima de violência no namoro, revela um estudo hoje divulgado e que envolveu cerca de 700 jovens.

SIC

O estudo, realizado no âmbito de uma tese de doutoramento, concluiu que "a frequência dos comportamentos violentos nas relações de namoro é elevada, assim como a desculpabilização dos fatores que a motivam", afirma a autora, Maria Clara Ventura, investigadora da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra.

De acordo com os resultados do trabalho, 23% de uma amostra constituída por 688 estudantes de duas escolas da região Centro, com uma média de idades de 17 anos, "percecionaram terem sido vítimas de violência nas relações de namoro", sustenta a autora.

Outros resultados do estudo apontam para o facto de as raparigas serem "tão violentas como os rapazes", não existindo uma relação entre a ocorrência de violência e o género dos inquiridos.

"Nesta amostra, as raparigas apresentaram comportamentos violentos nas suas relações de namoro com a mesma frequência que os rapazes, o que coloca a questão de saber se as raparigas ficaram mais violentas, ou se esta violência surge apenas como resposta à violência masculina", interroga-se Maria Clara Ventura.

Adianta que embora 68,9% dos inquiridos discordem das "crenças legitimadoras da violência", já 11,8% de estudantes "disseram aceitar algumas atitudes que justificam os atos agressivos".

"Os valores mais elevados, relacionados com justificação da violência pelas causas externas como o álcool, as drogas, o desemprego e a preservação da privacidade familiar, indicam que, na opinião dos participantes, se explicam e se justificam, em alguns contextos, comportamentos violentos nas relações de intimidade", frisa a investigadora da Escola Superior de Enfermagem.

Uma perspetiva, argumenta, que "pode sugerir, não só alguma desculpabilização do agressor, mas também a indicação de alguma culpa por parte da vítima, aspeto pouco promissor na construção de relações de intimidade que devem ser baseadas na igualdade e no respeito mútuo".

Embora admitindo que os resultados do estudo "não podem ser generalizados ao todo nacional", Maria Clara Ventura diz que "comprovam que a frequência dos comportamentos violentos nas relações de namoro é elevada".

Por outro lado, sublinha a autora, "minimizar a pequena violência e concordar com algumas atitudes abusivas dificulta a consciencialização da gravidade deste tipo de comportamentos".

Ainda no âmbito do doutoramento da investigadora, foi criado um programa de intervenção, denominado "Não à violência. (Re)aprender competências", que abrangeu um grupo experimental de 310 estudantes e utilizou estratégias para "produzir mudanças nos conhecimentos, atitudes e crenças dos jovens e promoção da autoestima", entre outros objetivos, "de forma a capacitá-los para iniciarem, desenvolverem e interromperem as suas relações, mobilizando-os pelo fim da violência no namoro e promoção de estilos de vida saudáveis".

A esse propósito, Maria Clara Ventura classifica como "fundamental" o trabalho desenvolvido nas escolas para desconstruir crenças de legitimação de violência relacionadas com as relações amorosas "em que normalização e desculpabilização de algumas condutas são apontadas de forma relevante".


Lusa

  • Drone inglês evita execução do Daesh na Síria
    2:08

    Mundo

    A Força Aérea britânica divulgou esta terça-feira um vídeo que mostra um drone a parar uma execução pública que estaria prestes a acontecer às mãos do Daesh, na Síria. As imagens, apesar de cortadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, mostram várias pessoas na rua, uma explosão e, depois, a fuga.

  • Atrás das Câmaras em Fátima
    2:48
  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15
  • PS quer reconquistar poder em Vila Viçosa
    2:06

    Autárquicas 2017

    Ana Catarina Mendes insistiu na ideia de que o PSD escolheu um modo perigoso de fazer campanha, ao insistir nas críticas à lei da imigração. Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS, esteve esta quarta-feira em campanha no distrito de Évora.

  • Troca de argumentos entre Medina e Cristas marca campanha em Lisboa
    2:34

    Autárquicas 2017

    Esta quarta-feira o dia de campanha em Lisboa ficou marcado por uma troca de argumentos entre Fernando Medina e Assunção Cristas. O atual presidente da Câmara acusa a candidata do CDS de não respeitar os lisboetas por admitir que pode não exercer o cargo de vereadora até ao fim do mandato. Já Assunção Cristas garante que se for eleita cumpre o mandato até ao fim.

  • "Não toleramos ameaças de ninguém"
    2:13
  • Número de tartarugas marinhas está a aumentar

    Mundo

    O número de tartarugas marinhas está a crescer, levando investigadores a considerar que os esforços para salvar estes animais são uma "história de sucesso da conservação global", indica um estudo divulgado esta quarta-feira.

  • Tubarões vivem mais tempo do que se pensava

    Mundo

    Uma revisão de dados sobre avaliação da idade dos tubarões revela que muitas espécies têm maior longevidade do que se pensava, o que poderá obrigar a uma revisão dos planos de conservação das mais ameaçadas.

  • Como mudar um templo com 135 anos e 2 mil toneladas... de lugar

    Mundo

    Um templo budista do século XIX é um dos mais populares em Xangai, na China. Visitado diariamente por milhares de pessoas, precisava de ser relocalizado para evitar que uma tragédia acontecesse. E mesmo pesando cerca de duas mil toneladas, a missão acabou por se provar possível.

  • Casal morre com horas de diferença depois de 75 anos de casamento

    Mundo

    George e Jean Spear morreram no passado dia 15 de setembro, no hospital de Queensway Carleton, em Ottawa (Canadá), depois de terem celebrado 75 anos de casamento em agosto. A britânica de 94 anos conheceu o candaniano em 1941, num salão de bailes, em Londres. George Spear servia as Forças Armadas durante a Segunda Guerra Mundial.

    SIC