sicnot

Perfil

País

Anonymous volta a atacar sites da PJ, Citius e Conselho da Magistratura

O grupo Anonymous lançou hoje mais uma série de ataques informáticos por ocasião do aniversário do 25 abril.A operação começou à meia noite e visou deitar abaixo as páginas da internet da Polícia Judiciária, do Citius e do Conselho da Magistratura. 

Página do Facebook do grupo Anonymous

Página do Facebook do grupo Anonymous

Página do Facebook do grupo Anonymous

Página do Facebook do grupo Anonymous

Página do Facebook do grupo Anonymous

Página do Facebook do grupo Anonymous

Site do Conselho de Magistratura, alegadamente atacado pelo grupo Anonymous

Site do Conselho de Magistratura, alegadamente atacado pelo grupo Anonymous

No Facebook, os piratas informáticos reivindicam o ataque e disponibilizam ligações que remetem para listas com o que dizem ser dados pessoais de profissionais ligados à justiça e emails de funcionários da EDP. Os sites da Águas de Portugal e do PS também foram manipulados como parte desta operação.

Foi ainda divulgada uma foto, do procurador Pedro Verdelho, que há um ano, no 25 de abril, teve já os seus dados expostos.

A cargo deste procurador está o processo da 'Operação Caretos'. Uma operação destinada a desmantelar o grupo suspeito de ser responsável por vários ataques a sites do Estado e de empresas privadas. 

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.